A adesão do Rwanda, país de língua francesa, ocorreu durante uma reunião de líderes da organização, em Trinidade e Tobago. Depois de Moçambique (em 1995), o Ruanda tornou-se no segundo país de língua não-inglesa a aderir à organização.
É um Estado de pequeno porte, com perspectivas económicas positivas. Entretanto, criou expectativas quando aderiu a Comunidade do Leste Africano no ano de 2007, o que ajudou a ampliar a sua economia sobre agricultura familiar e local. Os investimentos no cultivo de produtos considerados de intensa exportação (café, chá, feijão, batata, piretro e bananas) impactou o seu Produto Interno Bruto (PIB) substancialmente.
O setor industrial, mesmo sendo também considerado de pequeno porte, contribuiu para o fortalecimento do seu PIB em 14,3% no ano de 2010 e continua em franco crescimento, conforme uma Convenção do Banco Mundial. em Macau e o próprio governo de Rwanda, que lançou um projeto denominado “Rwanda Vision 2020”.