É quase unânime a opinião positiva dos angolanos e de certas forças internacionais, antes muito críticas a Angola, sobre o desempenho do Governo que tem à cabeça o Presidente João Lourenço. Embora o próprio tenha dito não ser ainda tempo para elogios interna e externa, há visões coincidentes de que a governação está a trazer bons efeitos com as medidas que tem implementado ao longo dos primeiros 100 dias.
A equipa do “A Voz do Cidadão” saiu à rua para ouvir os destinatários das políticas públicas e sobre os quais recaem o impacto das medidas que são tomadas. Nessa senda, e a seguir a tendência dos fazedores de opinião nacionais e internacionais, os três cidadãos que ouvimos alinharam, mesmo que com cautela num e noutro, que há esperança.
Para eles, o país já vive um cenário de dificuldades anterior a eleição e a entrada do Novo Governo precisava fazer acreditar as pessoas de que era possível “Corrigir o que está mal e melhorar o que está bem”.
Adriano João diz ser isso mesmo que sente. “As coisas estão a caminhar tal como pretendíamos. Temos mais motivação
para encarar o futuro”.
Já Júlia Cissa, como a maioria dos empreendedores, volta a sua preocupação à escassez de divisas que se vive, mas compreende porque está claro que o petróleo está mais baixo do que antes.
O mais velho Fernando Albano fazendo jus às cãs que carrega, pede moderação na euforia e diz que se deve dar tempo ao tempo.