A reforma do procedimento administrativo vai envolver um conjunto de tarefas, mantendo as práticas administrativas estritamente necessárias para assegurar a certeza e a segurança jurídica das empresas. Enumeramos alguns pontos essenciais, que vão revolucionar a actuação dos entes públicos.

- Reformar os níveis de hierarquia nos serviços públicos, assim como os números de autorizações ou vistos no procedimento administrativo, em consonância com medidas no domínio da organização administrativa e de gestão de recursos humanos.

-Criar um sistema de avaliação da qualidade e da produtividade dos serviços, dos responsáveis e dos agentes, além da criação de um paradigma de gestão de resultados, ou seja, evoluir do actual modelo administrativo de controlo de procedimentos para uma cultura de gestão por resultados.

- Implementar soluções tecnológicas que viabilizem um modelo de gestão dos serviços públicos virada para a obtenção de resultados e não apenas para o controlo de procedimentos promovendo uma administração pública entrosada e alinhada nos objectivos, nos resultados a atingir na utilização das ferramentas, tendo em vista o aumento da eficiência e racionalidade de gastos.
- Implementar um Sistema Fiscal e de prestação de contas adequados às necessidades da administração municipal do Estado e das autarquias locais.

- Promover o governo inteligente (smart government) como forma privilegiada de prestação de serviço aos cidadãos, aos operadores económicos e às instituições através de concepção e implementação de um roteiro para integração de todos os serviços públicos, permitindo a partilha de informação e de recursos tecnológicos (colocar toda administração pública em rede e-goverment smart government), de modo a maximizar a utilização das TIC, reduzir custos e prover melhores serviços para todos.

- Adoptar modelos flexíveis e eficazes de organização dos serviços públicos locais (tribunais, polícia, bombeiros e conservatórias (cartórios notariais).

- Reformular o modelo da organização local do Estado, usando como critério de definição a criação dos serviços face às necessidades e potencialidades locais.

- Reavaliar a missão, utilidade e eficácia dos institutos públicos e a sua racionalização.

- Definir e implementar um modelo de boa governação traduzido num reforço da capacidade, qualidade, eficácia e eficiência do Estado.

- Incrementar o papel das universidades públicas e privadas ou para instituições com vocação similar mediante celebração de contratos programa apoiados pelo Estado nas funções de investigação científica e pesquisa aplicada e outras actualmente desenvolvidas por institutos públicos

- Definir e implementar os programas dirigidos, orientadores dos investimentos públicos e privados com vista ao aumento rápido da produção nacional, particularmente dos bens da cesta básica e daqueles que levem ao aumento das exportações a curto prazo. o acompanhamento e avaliação dos referidos programas vão ser feitos de forma simples, rigorosa e atempada.

- Rever e actualizar a estratégia de Desenvolvimento de longo prazo “Angola 2025”, ampliando o seu horizonte temporal para 2050 e incorporando os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável.

- Implementar a estratégia Nacional de Desenvolvimento da Estatística 2015-2025, realizando, dentre outras operações estatísticas, o Censo Agropecuário e de Pescas.

- Preparar o Censo Geral da População e Habitação de 2024, os inquéritos de Defesa, Receita e Emprego e as Contas Nacionais Anuais e Trimestrais.

- Elaborar Estratégias e Planos Sectoriais de Desenvolvimento para os principais sectores da economia real, infra-estruturas e sociais, com base nos resultados do Plano Nacional de Ordenamento do Território Nacional (PNOT) de longo prazo.

- Preparar o Censo Geral da População e Habitação de 2024, os inquéritos de Defesa, Receita e Emprego e as Contas Nacionais Anuais e Trimestrais.