Os chamados países desenvolvidos têm a maior taxa de acesso a velocidades maiores do que 10 megabits por segundo, mas são os países africanos que lideram a taxa de crescimento da utilização de internet global, apesar de estar ainda longe de atingir os níveis da China, India, Europa e dos Estados Unidos da América (EUA). 

O relatório anual “Digital in 2018”, divulgado pelas agências We Are Social e Hootsuite em Janeiro deste ano, revela que as taxas de crescimento na penetração da Internet no continente africano aumentaram em mais de 20 por cento este ano em relação a 2017.
O relatório mostra que mais de metade da população mundial está on-line, cerca de 4,021 mil milhões, dos quais cerca de ¼ de mil milhão são novos usuários, que conseguiram o feito, pela primeira vez, em 2017-2018.

Factores de influência
O relatório aponta ainda que grande parte deste crescimento deveu-se à acessibilidade aos planos móveis e à aquisição de smartphones. A título de exemplo, o número de usuários de Internet no Mali aumentou quase 6 vezes desde Janeiro de 2017, assim como os do Benin, Serra Leoa, Níger e Moçambique, que também dobrou no último ano.
O aumento de utilizadores das redes sociais como o Facebook e o WhatsApp, que dominam o mercado das plataformas digitais, com um aumento de 15 por cento de usuários em relação ao mesmo período do ano anterior, atingiu quase 2,17 mil milhões no início de 2018, cuja metade são africanos.
Em termos regionais, a Europa tem o melhor desempenho, com 79,1 por cento da população conectada. Depois está a CEI, com 66,6 por cento, enquanto o continente americano completa o pódio, com 65 por cento. A Ásia e Pacífico estão 41,6 por cento seguido dos países Árabes, com 41,6 por cento e da África, com apenas 25,1 por cento.