O ministro angolano das Relações Exteriores, Manuel Augusto, confirmou, quarta-feira, em França, que Angola participa como observador na próxima semana, na reunião dos BRICS, que se realiza em Johanesbrugo, África do Sul.
O grupos das economias emergentes integrado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul reconhece o papel estratégico de Angola, sobretudo a sua experiência na resolução de conflitos em África, pelo que quer criar o estatuto de membro-observador, com o qual vai permitir que Angola e, eventualmente, outros parceiros considerados estratégicos possam acompanhar a iniciativa.
Os países que compõem os BRICS, apesar de não pertencerem formalmente a um Regional Trade Agreement (RTA), têm procurado criar um bloco político para adquirir uma maior influência no contexto de uma nova ordem internacional. Esta união de potências.
A Economist Intelligence Unit noticiou, recentemente, que a República de Angola pode receber financiamento do banco comum que os BRICS criaram (o Novo Banco de Desenvolvimento – NBD) para custear os projectos de investimento público. O banco está a ser criado para superar os riscos financeiros inerentes à promoção do desenvolvimento económico e para reduzir a dependência das trocas comerciais com os países desenvolvidos, constituindo uma alternativa ao Banco Mundial e ao FMI.