Os leilões de Títulos e Bilhetes do Tesouro realizados na plataforma de negociações da Bodiva totalizaram, em 11 meses, uma cifra de 857,9 mil milhões de kwanzas.
Segundo cálculos do JE, o Estado emitiu um total de 739 mil milhões em Obrigações do Tesouro em kwanzas nos primeiros 9 meses de 2019, sendo que em Outubro e Novembro, foram contabilizados 118,9 mil milhões de kwanzas.
Uma nota do gabinete de estudos do BFA, dava conta de que dos valores acima mencionados do período Janeiro a Setembro, apenas 309 mil milhões corresponderam a desembolsos monetários para o Estado, já que 24,6% foram para regularização de atrasados e 27,9% para capitalização do BPC, da Recredit e do BNA. Foram, igualmente, emitidos, segundo a publicação, 21,7 mil milhões em Obrigações do Tesouro (OT) em moeda estrangeira, tal como 440 em Bilhetes do Tesouro (BT). Face ao previsto no Plano Anual de Endividamento (PAE), as emissões domésticas até ao III trimestre foram 6,4% abaixo do total planeado até ao III trimestre; em BT, foram emitidos 0,76% acima do previsto, enquanto em OT as emissões ficaram até esta altura em -10,2% do planeado.

Mercado secundário animador


Em virtude da maior parte dos investidores na Bodiva serem instituições financeiras bancárias, a interpretação que se pode fazer do abrandamento verificado nas transacções em Mercado Secundário, na comparação dos meses em apreço, teve como factor principal, as deliberações resultantes da reunião extraordinária do Comité de Política Monetária (CPM) no dia 23 de Outubro de 2019. Neste contexto, o administrador Odair Costa, em entrevista recente a este jornal disse que o ajuste de 17 por cento para 22 do coeficiente de reservas obrigatórias para a moeda nacional pelo BNA é das notas que o mercado observou nos últimos tempos.
Já em Outubro o preço médio das Obrigações do Tesouro esteve cotado nos 102,74 kwanzas, enquanto que a mesma referência, em Novembro, fixou-se nos 101,01. Já as Obrigações não Reajustáveis (OTNR) em Outubro tiveram um preço médio de 85,36 e
em Novembro 83,77 kwanzas.
Em termos discricionários, no mês de Outubro, dos 76.966 milhões de kwanzas negociados, 972,5 milhões efectivaram-se no Ambiente Bilateral e os outros 75.994 milhões no Multilateral.
Quanto as maturidades, 27.380 milhões de kwanzas foram captados em Títulos de 2020; 19,343 milhões nos de 2021, 14.711 milhões para os de 2022, 8.983 milhões, de 2024, e 6.165 milhões nos de 2023.
Em termos de maturidade lançada, a de 2020 captou 25.040 milhões de kwanzas, 8.876 milhões de kwanzas para os títulos de 2023, 4.333 milhões de 2022, 3.633 milhões ficaram nas maturidades de 2021 e apenas 139,9 milhões vencem já agora em 2019.

Transacções acentuaram um Dezembro prometedor

Os Títulos do Tesouro transaccionados na Bolsa de Dívida e Valores de Angola (BODIVA) nos três primeiros dias de Dezembro resultaram numa facturação de 12,01 mil milhões de kwanzas (24,4 milhões de dólares).
A maturidade mais negociada foi ainda de 2020, cujo preço médio por OTXC situou-se nos 101,09 kwanzas.
Dos valores evidenciados, 11.5 mil milhões de kwanzas foram obtidos em Ambiente Multilateral e outros 509 milhões de kwanzas no Ambiente Bilateral.
Na semana passada, os dados a que o JE acessou dão conta que em Outubro o preço médio das Obrigações do Tesouro esteve cotado nos 102,74 kwanzas, enquanto que a mesma referência, em Novembro, fixou-se nos 101,01. Já as Obrigações não Reajustáveis (OTNR) em Outubro tiveram um preço médio de 85,36 e
em Novembro 83,77 kwanzas.
Em termos discricionários, no mês de Outubro, dos 76.966 milhões de kwanzas negociados, 972,5 milhões efectivaram-se no Ambiente Bilateral e os outros 75.994 milhões no Multilateral.
Quanto às maturidades, 27.380 milhões de kwanzas foram captados em Títulos de 2020; 19,343 milhões nos de 2021, 14.711 milhões para os de 2022, 8.983 milhões, de 2024, e 6.165 milhões nos de 2023.
Em termos de números de negócios mensais efectivados por membros, quem maior indicador registou, em Outubro, foi o Banco de Fomento Angola (BFA) ao totalizar 156. Tal resultado põe o banco com 1.860 lances no total deste ano. Todavia, foi o Millennium Atlântico com 42.503 milhões de kwanzas, contra os 34.567 milhões do BFA, quem mais facturou em negócios naquele mês. seguiram-se no top 7 o Sol, com 35.583 milhões ficou na segunda posição, entre o Atlântico e o Fomento. O Banco Internacional de Crédito (BIC), em Outubro levou 12.039 milhões de kwanzas, de 21 negócios; o Banco Económico (BE) 10.319 milhões, de 23 negócios; o Banco de Negócios Internacional (BNI) surge com 8.943 milhões, de 24 negócios, e o Regional Keve com 4.156 milhões, de 24 negócios concretizados, no fecho do ranking dos sete mais de Outubro.
Em termos de maturidade lançada, a de 2020 captou 25.040 milhões de kwanzas, 8.876 milhões de kwanzas para os títulos de 2023, 4.333 milhões de 2022, 3.633 milhões ficaram nas maturidades de 2021 e apenas 139,9 milhões vencem já agora em 2019.
Os indicadores do mês de Novembro, por sua vez, demonstram ter sido o Standard Bank Angola (SBA) quem mais vantagens tirou dos negócios de Títulos ao ficar com 23.794 milhões de kwanzas dos 42.024 milhões negociados, no ranking dos sete (7).