A barragem das Neves que retém água do rio com o mesmo nome, constitui a principal fonte de abastecimento do precioso líquido para o canal de irrigação com uma extensão de cerca de 38 quilómetros e irrigar mais de 1600 hectares a maioria com culturas de fruta.
Os dados da direcção da agricultura local atestam que a estrutura de retenção com mais de 447 metros de comprimento, possue fissuras e outras áreas com degradação acentuada devido o tempo de existência. O canal de irrigação possui três reservatórios que clamam também por obras em certas áreas.
Quando chove com regularidade, os níveis de armazenamento de água atingem os 6 milhões de metros cúbicos. No cacimbo, as quantidades reduzem para dois milhões de metros cúbicos. A barragem da Humpata tem um canal de irrigação de 38 quilómetros.
A construção da barragem das Neves data de 1968, sendo a primeira reabilitação feita em 1992. É tida como o pulmão para desenvolver a produção local com um total de 113 fazendas controlados e um número considerável de camponeses.
A administradora do município da Humpata, Paula Nassone, descreveu que do rio e da barragem das Neves, “está o sucesso da produção da fruta com realce a pêra, maçã, laranja, tangerina e goiaba, cujos níveis em cada safra ascendem as 250 toneladas.
Acima de 90 agricultores com parcelas de terras aráveis e fazendas agrícolas, utilizam a água transportada pelo canal, irrigando um número considerável de campos com citrinos, hortaliças e viveiros de reprodução de vários tipos de frutícolas e árvores diversas.
O soba Sapalo Tchengueleka informou que os camponeses continuam a lavrar normalmente nos lotes do perímetro irrigado mesmo sem o apoio técnico mecanizado. “Estamos a cultivar milho, couve, repolho, batata-doce e outros para a nossa subsistência”.
A lavoura, disse, é feita em parcelas familiares que não permite colher grandes quantidades de produtos. “Precisamos juntas de boi com charruas, sementes diversas melhoradas e motobombas para tirar água suficiente do canal das Neves”.
Entretanto, na mesma situação, se encontra a barragem do Sendi, e o pólo desenvolvimento hidroagrícola da Waba, no município de Caconda. O perímetro do Sendi, com capacidade de irrigar acima de 1500 hectares, nunca foi intervencionado. Como consequência, a maioria da água vasa para áreas não agricultáveis devido a várias roturas existentes ao longo do canal.
Os produtores explicaram que o actual estado dos sistemas de irrigação retarda a realização da agricultura a escala industrial e a promoção da diversificação da produção de alimentos necessários para dieta nacional e para exportação.

447 metros de comprimento
É em quanto dimensionou-se a bacia de retenção da Barragem das Neves.