O Ministério da Agricultura e Florestas tem disponível 17 mil toneladas de fertilizantes e adubo composto para as províncias do Bié, Huambo e Huíla. 

Segundo o director Nacional do Instituto de Desenvolvimento Agrário (IDA), David Tunga, as províncias do Bié e do Huambo vão receber cinco toneladas de fertilizantes cada e a Huíla sete toneladas de adubo composto.
“O Ministério está a trabalhar, como nos anos anteriores, no aprovisionamento do ano agrícola em todo o país”, disse.
Explicou que está a decorrer o processo produtivo nacional de sementes melhoradas, e com realce para o milho híbrido, amarelo e branco. O responsável garantiu que a meta é colocar no país mais de 80 por cento de sementes melhoradas de milho amarelo e 20 de milho branco.
No lançamento da campanha agrícola, o Ministério da Agricultura e Florestas pretendia ainda colocar em relevo a produção nacional de sementes, com o apoio dos empresários locais, que com esforço estão a produzir várias sementes.
“O número de empresas que está a produzir sementes ainda é reduzido, mas essas sementes estão a ser adquiridas pelo Ministério da Agricultura para motivar esses produtores, pelo que apelo à busca de parcerias com produtores internacionais para trazê-los a produzir sementes aqui em Angola”, pediu.

Sementes têm qualidade
O coordenador da Confederação das Associações de Camponeses e Cooperativas Agro-pecuárias de Angola (Unaca) no Chinguar, Bernabé Palanca, mostrou-se satisfeito com a qualidade das sementes melhoradas de milho amarelo que receberam por parte do Ministério da Agricultura e Florestas para o presente ano agrícola.
“Os beneficiários destas sementes estão satisfeitos, pois ainda não recebemos nenhuma reclamação. Estamos a falar dos 350 pequenos camponeses que foram contemplados com as sementes. Não é verdade que a qualidade não é boa”, afirmou.
Bernabé Palanca disse ainda que as famílias beneficiárias estão em grupos integrados em escolas de campo para a sua capacitação e superação técnica.
“Já existem mais de 40 escolas de campo, vamos aumentar o número devido ao aumento de beneficiários nesta campanha agrícola, e nas escolas em que os camponeses aprendem a fazer bem o cultivo com sementes melhoradas”, afirmou.
Para facilitar a agricultura familiar, o Projecto de Desenvolvimento da Agricultura Familiar e Comercialização (MOSAP II) tem disponível 2.188 charruas de tracção animal para entregar aos camponeses, segundo o coordenador Romeu Santa Rosa.

Fazendeiros recebem sementes
O agricultor Alfeu Vinevala, um dos beneficiários das sementes melhoradas, é de opinião que as mesmas têm boa qualidade, pois até agora a sua plantação, de mais de 200 hectares está a produzir bem.
“Não vejo nenhum problema com as sementes melhoradas. É certo que é novidade para nós, mas a plantação está a desenvolver muito bem. Quem diz que as sementes melhoradas não têm qualidade é porque não sabe como cuidar da sua plantação “, afirmou o empresário do ramo agrícola.
“Temos experiências anteriores, se num hectare plantarmos 300 quilos de sementes de milho vamos colher três toneladas e com potenciais compradores, então estaremos, a ajudar realmente as famílias”, disse.
O também proprietário da fazenda agro-pecuária “Vinevala”, localizada no município do Chinguar (Bié), revelou que tem 370 hectares para plantar no presente ano agrícola.
O projecto agrícola está a apostar mais no cultivo do milho e da batata rena, por ser mais viável.
Na fazenda, a preocupação recai na falta de pivôt, de irrigação, pois a rega ainda é feita atravez da água da chuva.
“Quando não há chuva, nós parámos com o nosso trabalho e isso resulta em perdas consideráveis”, frisou Alfeu Vinevala.
O fazendeiro revela que com pivôt de irrigação pode-se produzir muito mais.
Na presente campanha agrícola, Alfeu Vinevala prevê colher oito toneladas de batata e mais de duas mil de milho.
A produção da fazenda Vinevala, segundo o seu proprietário, tem sustentado famílias na região do Bié e parte do mercado nacional.
A fazenda Vinevala, criada em 2002, ocupa um espaço de 427 hectares de áreas produtivas e conta com 128 trabalhadores efectivos.

Aposta forte
Serafim Daniel Chitumba, engenheiro agrícola é de opinião que todo o camponês, que tem as sementes melhoradas, preparação da terra, aplicação de fertilizante, e no uso do adubo poderá obter boa colheita.
“Se o camponês não observar estes pressupostos a semente não dará rendimento, e logo afectará a colheita”, afirmou o técnico agrário destacado na localidade do Jimba Silili.
Disse ainda, que os solos da província do Bié adaptam-se bem às sementes do milho branco e do amarelo.

Assistência
técnica
é contínua

No decurso do ano agrícola 2017/2018, foram assistidas 1.042.355 famílias através do programa de extensão e desenvolvimento rural no quadro dos projectos de financiamento externo.
O Ministério da Agricultura e Florestas promoveu a correcção de solos, com a distribuição de mais de 17 mil toneladas de calcário nas províncias de Benguela, Huambo, Bié e Huíla, tendo obtido resultados satisfatórios no aumento da produtividade e da produção nas regiões alvo deste programa, saindo, por exemplo, de mais de 800 kg de milho por ha para a média de 2,5 toneladas de milho por hectare nas parcelas corrigidas.

Bié destaca-se
Dados a que o JE teve acesso indicam que o Gabinete provincial da agricultura Pecuária e Pescas da província do Bié perspectiva melhorar os serviços de mecanização agrícola, visando o aumento das áreas, continuar a estender o processo de celagem dos solos, introdução de variedades melhoradas de sementes, manter o acesso às famílias camponesas, dos imputes a preços bonificados, assim como a diversificação das culturas com a introdução de outras variedades de sementes e material vegetativo.