O Instituto Médio de Agronomia do Andulo (IMA), na província do Bié, lançou no mercado de emprego 254 técnicos de mecanização agrícola, 253 de produção animal e 108 especialistas na área vegetal, perfazendo assim um total 615 formandos, anunciou o director da instituição, António Sicato.


O responsável do instituto, inaugurado em 2008, avançou que no presente ano académico foram matriculados 447 estudantes, dos quais 124 do sexo feminino, e estando 205 a estudar em regime de internato.

António Sicato disse que, a instituição conta com um quadro de 50 professores, sendo 26 angolanos e 16 cubanos, assim como oito funcionários da área administrativa, que asseguram as salas de aula teóricas compostas por 36 alunos.

O gestor explica que no decorrer dos exercícios práticos, os alunos desdobram-se em turmas, formando grupos de 18 integrantes, para aulas laboratoriais, oficinas e campos, o que duplica muitas vezes a carga horária dos docentes.

António Sicato afirmou que a escola observa um crescimento institucional equilibrado, com oferta formativa gradual, criação de condições técnicas, materiais e humanas, o que tem propiciado ensino de qualidade.

Criação de cooperativas
Os profissionais do Instituto Médio Agrário do Andulo (IMAA) vêm como alternativa para empregabilidade e auto-sustentabilidade económica, o agrupamento em cooperativa agrícola como o caminho sólido centralizado à diversificação de recursos.
A instituição preconiza, o fortalecimento do auto-empreendedorismo nos alunos como centro das prioridades na formação, para que estes tenham o domínio de experiência activa no mercado de trabalho.

A falta de estruturas e capitais levou a escola a uma profunda avaliação e reestruturação no seu programa interno que culminou com a criação de cooperativas agro-pecuárias, que de certa forma estão amenizar os constrangimentos observados na inserção mercado.

O instituto prevê em parceria com a empresa “Ok Tecnology” a criação de um amplo projecto denominado “Cooperativa do Instituto Médio Agrário do Andulo (COOPERIMAA)”, que tem como principal foco, a comercialização de produtos produzidos pelos alunos para os mercados mais concorridos.

O director da escola, garante, que o Cooperimaa surge como eixo de oportunidades tanto na divulgação de especialidades dos formandos, assim como na exposição da capacidade agrícola.

“Temos três campos de cultivo diversos e vamos tornar a produção do Imaa como uma montra nos principais mercados, e proporcionar ritmo de crescimento económico para a auto-sustentabilidade da instituição e dos alunos”, disse ao JE.

A nova experiência de implantação de técnicas de semeadura tratos culturais e colheitas, o novo campo experimental antevê grande quantidade nas próximas produção com realce às hortícolas.

O Instituto Agrário do Andulo apresenta uma configuração arquitectónica que comporta um bloco académico com 26 salas de aula, laboratórios, oficinas, aviários e um campo de produção com seis hectares.