Com o valor da exportação do petróleo, Angola pode importar todos os produtos de que precisa e ainda tem um saldo positivo, sem agravar a dívida externa, com o financiamento para a construção aos valores que hoje são referenciados.
Sabe-se, no entanto, que um investimento como este é de grande interesse para empresas construtoras, de engenharia, de equipamentos, de fiscalização de obras, de certificação e formação ou de logística.
Os especialistas admitem que o interesse para o país será ter combustíveis ao menor custo, e isso só é possível se continuar-se a importar os produtos e a dar atenção aos preços de importação.
Pode-se, para isso, operar de diversas formas entre as quais:
• Vender o petróleo a uma empresa em troca de produtos refinados;
• Pagar a uma refinaria no exterior para refinar o nosso petróleo, repatriando os produtos que precisamos e vendendo no mercado internacional o excedente.
Muitas das refinarias europeias são detidas por empresas de diversos países, pois podem ser atractivas e responder a estratégias dessas empresas compradoras.
A título de referência, Lago de Carvalho diz que, nos últimos anos, algumas refinarias na Europa, com petroquímica e capacidade superior à proposta para Angola, foram transaccionadas a valores na casa dos dois mil milhões de dólares. Ele lembra que as refinarias vivem com margens muito limitadas, que variam entre 0,5 e os 5 dólares por barril processado, podendo chegar a USD 10 em períodos curtos e muito bons.
Considerando que, com bastante optimismo, pagar-se-a à Refinaria do Lobito USD 10 por barril/dia para processar o petróleo, ela vai obter uma receita bruta de USD 700 milhões/ano ou 2 milhões/dia.
Estima-se que só o reembolso dos capitais investidos custará USD 1.000 milhões se reembolsado a dez anos, ao qual se juntam os juros desse capital e todos os custos de operação.
O acesso à actividade de distribuição dos combustíveis em Angola é livre desde 2009. O objectivo com a adopção da medida, nesta altura, foi estimular e garantir a cobertura nacional da distribuição de combustíveis e estabelecer um sistema de tarifas mais transparente.