O crescimento económico que o país experimentou nos últimos 14 anos conduziu a progressos consideráveis no que respeita à qualidade de vida dos angolanos.
O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), o indicador global de desenvolvimento utilizado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e que avalia para vários países do mundo, factores como a esperança de vida, os níveis de acesso à educação e à saúde e o nível de riqueza por habitante, evoluiu bastante em Angola.
Segundo dados apurados pelo Censo 2014, a esperança de vida à nascença em Angola passou de 45 anos em 2002 para 60,29 anos em 2014. Trata-se de um avanço significativo que coloca Angola acima da média da esperança de vida verificada na África Subsariana que é de 58,5 anos.
A estratégia do partido no poder é continuar a promover o desenvolvimento sustentável e diversificado, com a inclusão económica e social e redução das desigualdades, assim como promover o desenvolvimento humano e bem-estar dos angolanos, com a inclusão económica e social. Além disso, trabalhar-se para garantir a reforma do Estado, a boa governação e o combate à corrupção e estimular a transformação da economia, o desenvolvimento do sector privado e a produtividade da economia nacional.
O programa visa também estimular a valorização do capital humano e a promoção do emprego qualificado e remunerador, assegurar a defesa e segurança da Nação e dos cidadãos, assim como garantir o desenvolvimento harmonioso do território, com a descentralização e municipalização, assim como promover o reforço do papel de Angola no contexto internacional e regional. As reformas que têm estado a introduzir nos diversos sectores da vida nacional visam dar oportunidades iguais a todos.