A circulação dos comboios foi restabelecida ao longo de toda extensão ferroviária, graças aos avultados investimentos realizados pelo Governo. “Hoje, a transportação de passageiros e mercadorias através do Caminho de Ferro de Luanda (CFL) é um facto, sendo em média são transportados anualmente três milhões de passageiros e 50 mil toneladas de carga geral”, disse o presidente do Conselho de Administração daquela empresa pública, Celso Rodrigues Rosas, durante o balanço da década do sector.
Até Junho de 2017, os comboios levaram 781.426 passageiros, contra os 2 milhões 892 mil 557 fechados em 2016, o que se prevê que a cifra do presente ano possa ainda subir.

Cargas

Quanto às toneladas transportadas, o registo é de 13.514 no primeiro semestre, que pode superar a de 2016, que andou a 25.712 no geral. Em 2010, aquela empresa transformou-se de Unidade Económica Estatal (UEE) em Empresa Pública (E.P), tendo dado início em 2011 a exploração comercial na circulação de comboio a Malanje e aberta a linha geral e do ramal do Dondo.
O alargamento para a província da palanca negra gigante dinamizou a transportação ferroviária entre Luanda, Cuanza Norte e Malanje, fazendo com que as receitas do CFL aumentassem. Em 2016, os proveitos operacionais atingiram o valor de 2.975 milhões de kwanzas, contra os 2.959 milhões conseguidos em 2015.

Suporte

Os custos operacionais no ano passado chegaram a 3, 1 mil mihões de kwanzas, repartidos em perdas operacionais, amortizações, custos com o pessoal e de existenciais vendidas.
O CFL possui actualmente 957 trabalhadores, distribuídos em 742 do sexo masculino e 214 do sexo feminino. Estes números superam os de 2008, que andaram à volta de 632 trabalhadores.
Os trabalhos de reabilitação das infra-estruturas tiveram início em Fevereiro de 2005, na sequência do protocolo de cooperação
entre Angola e a China.
“Entre 2008 e 2017 o CFL cresceu mais de três vezes a sua rentabilidade”, gabou-se Celso Rosas. A empresa cresceu 88 por cento em comboios e 134 por cento em cargas transportados face a 2008. Em Agosto de 2013, foi inaugurada a Nova Estação do Bungo.
Um dos momentos mais altos foi a ligação ferroviária, no dia 3 de Abril de 2014, da linha geral ao Porto de Luanda, cuja cerimónia foi presenciada pelo Presidente da República, José Eduardo dos Santos, concluindo-se assim a reposição da circulação dos troços do CFL.