O director-geral do Inefop Manuel Mbangui disse que estão a ser criadas condições para que os beneficiários de micro créditos não tenham a tendência permanente de procurar emprego por conta de outrem. Deste modo, serão capacitados e terão um acompanhamento rigoroso.
Segundo o responsável, o valor do micro crédito vai de mil a cinco mil dólares, equivalentes em kwanzas, mas actualmente, a equipa do Pape tem sentido que a preocupação dos empreendedores é ultrapassar esses valores, por isso é que, no quadro do reajuste do programa, estão a ser acauteladas estas mudanças.
O responsável disse que a formação dos beneficiários terá a duração de três semanas, onde vão aprender as ferramentas básicas de empreendedorismo, noções do sistema fiscal, tendo em conta, que actualmente, este processo tem-se consolidado cada vez mais no país e o empreendedor tem de estar preparado para lidar com esse sistema.
Assim, a carteira profissional vai ser dada àqueles jovens que forem submetidos a testes, numa avaliação que será feita por etapas. “Os que reprovarem terão oportunidade de voltar a fazer formação e superar as possíveis debilidades através do Programa Avanço”,
disse o responsável.

Plataformas do Pape
O Pape lançou em todo o país a plataforma e-bumba. É um espaço que vai servir de interacção entre clientes e prestadores de serviço. Os jovens formados neste plano e em outros organismos vão estar cadastrados para melhor desenvolverem as suas habilidades.
A medida que surge em função do sistema ter formado jovens de diferentes prestações de serviço, mas os cidadãos não sabiam onde encontrá-los para prestação de serviço.
No entanto, as plataformas para inscrição do Pape já estão disponíveis em todo o país e foi colocado à disposição dos cidadãos, correios electrónicos para facilitar o processo.
O correio oficial é www.pape.gov.ao, www.maptss.gov.ao e pape@maptss.gov.ao.
Além disso, as inscrições podem também ser feitas através dos centros de emprego, de formação profissional e nos Siac. Outras informações, estão ainda disponíveis no Serviço de Plataforma Electrónica (Sepe) e em aplicativos de telemóveis, incluindo a linha poliglota simples, fácil e sem burocracias, onde os candidatos vão apenas colocar os dados pessoais e académicos, para depois definir o programa
que pretende se candidatar.
Luanda é a província com maior número de cidadãos que se inscreveram no site Pape, desde o seu lançamento no início deste mês, já agregou 778 candidaturas, seguida de Benguela com 97, Huambo 86, Huíla 51 e Cabinda 29. No cômputo geral o sistema recebeu mais de 1.500 candidaturas em menos de 15 dias.
Os beneficiados do projecto terão um período de carência ou de graça de três a quatro meses, para que os empreendedores fiquem sem pagar ao banco, com uma taxa de juro estimada em um por cento.
Depois vão ter um ano para devolverem o crédito, mas caso não consigam neste período, poderão renegociar com o banco e alargar o prazo.
Um dos requisitos para aderir ao Pape é ter a documentação regularizada passada pela administração local, para que actividade seja reconhecida, formalizada e posteriormente fazer a inscrição no Instituto Nacional de Segurança Social (INSS), obedecendo o Sistema de Protecção Social Obrigatório.
Depois destes passos o cidadão será escolhido em função da organização e fiabilidade do projecto que apresentar, para depois receber o micro crédito, com a possibilidade de ter o seu projecto apetrechado e equipado com material adequado, ainda pode beneficiar da reabilitação do espaço e receber o kit, para dinamizar melhor o negócio.

Ministério da administração pública
garante cumprimento dos objectivos com o fomento de micro empresas

O ministro Jesus Maiato apontou que o objectivo do Pape é aumentar a capacidade institucional dos centros de formação profissional e de emprego, tanto públicos como privados, melhorar a sua organização e funcionamento, a qualidade da oferta formativa, bem como a extensão da rede das unidades formativas e de emprego.
O Pape vai fomentar e apoiar o espírito de iniciativa dos empreendedores, fundamentalmente, dos jovens e mulheres.
Valorizar o exercício das profissões, através da atribuição das carteiras profissionais e dar oportunidade de estágios aos cidadãos recém-formados. O ministro disse que será reforçado o fomento e o surgimento de micro e pequenas empresas, através da atribuição de micro créditos, kits e ferramentas de trabalho, bem como a melhoria do respectivo ambiente de prestação de serviço, que será feito através de uma plataforma electrónica, para dinamizar a intermediação, fundamentalmente, para os profissionais que exercem actividade
por conta própria.
Garantiu que o plano é de âmbito nacional com enfoque nas comunidades, beneficiando todos os cidadãos com idade economicamente activa e que reúnam os requisitos estabelecidos para cada iniciativa.
Referiu que os objectivos traduzem na concretização das linhas contidas no Plano de Desenvolvimento Nacional, 2018-2022, especificamente, no que diz respeito à promoção da empregabilidade.
De acordo com o ministro da Administração Pública, Trabalho e Segurança Social, Jesus Maiato, o Pape nesta primeira fase, já beneficiou 170 cidadãos com micro créditos nas distintas modalidades, apetrechou 17 projectos, como oficinas, salão de cabeleireiro e alfaiatarias e fez a distribuição de carteiras profissionais a 25 formandos.
O plano promove a formalização de pequenos negócios e a reconversão da economia informal e contribuir para o aumento da renda familiar e a
redução da pobreza no país.
O ministro pediu aos primeiros beneficiários, a serem um exemplo, que além do uso racional dos meios concedidos, possam estimular a candidatura dos demais cidadãos.