Promover parcerias entre as empresas públicas é um objectivo que deve ser incentivado pelo Instituto para o Sector Público Empresarial (ISEP), razão pela qual o primeiro fórum de negócios reuniu gestores, bancos e potenciais investidores para uma reflexão abrangente sobre as oportunidades de negócios das unidades do Sector Empresarial do Estado.

Que balanço faz do primeiro fórum de negócios que o Isep acaba de promover?
A julgar pela avaliação dos participantes, é justo admitir que fomos bem sucedidos na realização do evento em referência.

Resumindo, os resultados foram amplamente alcançados?
Lançamos as sementes e esperamos que tenham caído em solo fértil (no sentido de serem bem acolhidas). Devemos, em nossa opinião, continuar a cuidar da envolvente política e administrativa para que, no mercado, possamos colher os benefícios desejados no tempo programado.

Até que ponto as empresas do SEP têm ajudado na estratégia de desenvolvimento e diversificação da economia nacional?
Existe um enorme potencial para o aumento da participação das empresas do SEP na formação do PIB não petrolífero. É este o objectivo que perseguimos.

Há várias oportunidades de negócio proporcionadas pelo estado no âmbito da execução do plano nacional de desenvolvimento 2013-2017?
Há sim. O ministro da Economia estimou em 50 mil milhões de dólares a carteira de negócios proporcionadas pelo Estado no âmbito da execução do plano nacional de desenvolvimento 2013-2017.

No fórum constatou-se que tem havido poucos negócios estabelecidos entre as empresas do Estado. Que estratégia o Isep vai delinear para que estes desafios sejam atingidos plenamente?
Pensamos que se deverá aprofundar o diálogo entre as empresas. Esta foi uma das razões que motivou a realização do fórum e é um assunto que continuará a merecer a nossa melhor atenção.

De que forma é que o Isep vai acompanhar a sustentabilidade económica e financeira das empresas do aparelho do Estado. Será que se confinará unicamente no apelo à prestação de contas?
A sustentabilidade económica e financeira das empresas é um desiderato que iremos realizar por via da reestruturação da maior parte das empresas que integram o sector empresarial público.

Qual é o aconselhamento que o instituto tem dado às empresas para que elas possam ser mais rentáveis?
As nossas opiniões são, normalmente, expressas em sede das estratégias e planos de negócio que são submetidos à nossa apreciação pelos órgãos de gestão das empresas públicas.