As plataformas de internacionalização da região metropolitana de Luanda e os espaços periféricos são os eixos de desenvolvimento consolidado das províncias de Uíge, Malanje e Moxico.
Com as especificidades que resultam da exploração diamantífera, as províncias da Lunda Norte e Lunda Sul.
O plano de desenvolvimento como veículo principal, à luz da estratégia Angola 2025, deverá orientar e intensificar o ritmo e a qualidade do
desenvolvimento em direcção ao rumo fixado, aumentar a qualidade de vida da população, transformando a riqueza num bem tangível para
todos os angolanos.

Apoio ao programa

O referido plano prevê o programa de apoio ao Processo de Preparação das Autarquias Locais, tendo por base três objectivos específicos a concretizar até 2021, tais como a criação de instrumentos de apoio, incluindo meios técnicos, humanos e financeiros;
Assim como a institucionalização das Autarquias Locais, o enquadramento das Autoridades Tradicionais no quadro da governação local.
Dando substância, os temas escolhidos e discutidos no fórum.
O futuro do desenvolvimento do país passa também por acções em matéria local nos domínios económico, social e cultural. Pelo
facto da descentralização e desconcentração administrativas deverão constituir o elemento fundamental da acção política e administrativa, a fim de
se atingir os patamares de desenvolvimento harmonioso de todo território nacional.
A concretizar-se estes pilares está a dar-se o cumprimento a uma orientação do Titular do Poder Executivo, quando afirmou que “os órgãos da
administração central e local devem lidar com os desafios do presente com os olhos postos no futuro e criar mecanismos para dar aos cidadãos as
ferramentas que permitam a sua participação nos destinos da sua comunidade”.
Assim, vai se construir um modelo de gestão autárquica futura, que deixará de governar para o cidadão, e passar a reger com o citadino a fim de não serem meros destinatários dos serviços públicos, mas sim os seus verdadeiros agentes.
MB