“Quando há crise, o sector segurador constitui um dos motores por movimentar muitos fundos, que permitem estabilizar o sistema económico”, disse.

José Almaça, que falava no II fórum do mercado segurador, que decorreu sob o lema “A regulação e a supervisão do mercado segurador em Angola”, defende ser importante a disseminação da cultura de seguros por desempenhar um grande papel nas economias nacionais.
Lembrou que o dinheiro que entra nas companhias de seguro é investido em dívida pública e privada às quais servem para refinanciar a economia.
Para ele, a regulação e a supervisão em Solvência II é um garante da gestão e supervisão das seguradoras, sobretudo baseadas nos riscos e dão garantia à protecção dos bens das companhias de seguro, assim como o retorno aos beneficiários.

Gestão de riscos

Ao abordar-se a temática da gestão de riscos na actividade seguradora, é incontornável falarmos do projecto de Solvência II. Caracterizada como sendo a “Supervisão baseada no risco”, este regime introduziu reformas estruturais consubstanciadas numa cultura de avaliação económica e prospectiva dos riscos assumidos por cada operador. Esta acção traduz-se num novo paradigma no quadro de regulação e de supervisão da actividade seguradora e resseguradora.
Relativamente a aplicação do regime de Solvência II em Angola, os intervenientes ao II fórum consideraram ser necessária a consolidação dos instrumentos que permitirão a sua implementação no futuro, quer do ponto de vista de regulação, quer do ponto de vista processual. Deste ponto de vista, é quase unãnime a perspectiva de que, neste momento, ainda não estão criadas as bases para a implementação desse modelo de gestão das seguradoras.
O Solvência II reflecte uma visão holística e integrada dos riscos, abrangendo todos os aspectos que podem afectar a estabilidade financeira dos operadores e do mercado e comprometer, dessa forma, o cumprimento dos compromissos assumidos para com os tomadores e beneficiários de seguro. É, por fim, disse, um regime votado pelo Parlamento Europeu para todas as seguradoras e resseguradoras da União Europeia, que cobre também as operações de seguro das bancassurers, instituições bancárias que também oferecem serviços de seguro.