A trigésima edição da Feira Internacional de Luanda, que abriu as suas portas em Luanda no dia 16 com termo previsto para o próximo dia 21 (domingo), registou o maior número de participantes até agora e prevê facturar três milhões de dólares (mais de 280 milhões de kwanzas). No total, são mil participações de empresas. A China aparece como o país convidado especial.

Esta edição da Filda conta com seis pavilhões, sendo dois para as empresas nacionais e os restantes para as estrangeiras. O número de expositores tem estado a subir tal como o espaço ocupado que, no fundo, é o principal elemento gerador de receitas. Para este ano, o número subiu de 700 (2012) para 1.000 expositores.

No recinto, o monstro asiático expõe cerca de 100 empresas em diversos ramos, com destaque para a construção e indústria. Por ser um dos parceiros económicos mais privilegiados de Angola, a FIL reservou-lhe um único pavilhão. Daí que, o presidente do Conselho de Administração da Feira Internacional de Luanda, Matos Cardoso, ter considerado a Filda como um dos indicadores do crescimento económico que assume a cooperação entre Angola e vários países do mundo, particularmente a China. Ladeado pelo governador da província de Luanda, Bento Bento, que inaugurou o certame, Matos Cardoso disse que a Filda já é um sucesso, por ter granjeado confiança da parte dos diversos departamentos ministeriais.

China e Portugal
Ocupam o maior número de empresas e maior área de exposição na história. Tanto a China como Portugal ocupam um pavilhão com 4 mil metros quadrados.

A Turquia, que expõe 100 empresas, está num espaço de 2 mil metros quadrados.

Estatisticamente, a Filda cresceu em termos de participações de países. Este ano, participam 36 Nações, contra 34 da edição passada. O espaço de exposição também aumentou. Na presente edição, a solução encontrada para contornar este problema foi a criação de dois pavilhões-tendas com dois e quatro mil metros quadrados, respectivamente.

As melhorias feitas a nível das infra-estruturas, o aumento de participantes e da área de exposição da Feira Internacional de Luanda (FILDA) foram apontadas por Francisco Sousa, gestor da FIL, como os principais destaques desta trigésima edição.

“Tivemos de melhorar as infra-estruturas e acrescentar dois pavilhões para atender a demanda dos participantes”, afirmou Francisco de Sousa em entrevista ao JE. Outro aspecto que merece destaque é o reforço da segurança, tanto pessoal como patrimonial.

De acordo com o gestor, em cada edição da feira, a FIL procura melhorar os serviços e expandir a área de exposição com vista a concretizar a meta de ser a maior feira internacional de África.

O evento decorre sob o lema “Os Desafios da Atracção de Investimento: Estratégia, Legislação, Instituições, Infra-estruturas e Recursos Humanos”.

Em termos gerais, o preço do bilhete de acesso custa 3.500 kwanzas, contra os 3 mil de 2012. O horário dos dias 16 a 19 é das 14 às 21 h, dia 20 das 11 às 18 e dia 21 das 14 às 21h.  

Expansão
O mercado nacional de feiras, que inclui a actividade de agências de viagem e serviços como rent-a-car, transitários, despachantes e outros sectores económicos, gera anualmente 40 milhões de dólares (mais de três mil milhões de Kwanzas) de receitas e movimenta um volume de negócios realizados com base no estabelecimento de parcerias ou fornecimento de produtos e serviços acima dos 500 milhões de dólares (48 mil milhões de Kwanzas), provenientes dos contactos feitos durante a feira.
No ano passado, a FIL facturou 2,5 milhões de dólares ( 240 milhões de Kwanzas).

A intenção da FIL é investir 10 milhões de dólares (quase 100 milhões de Kwanzas) na construção de novos pavilhões de modo a garantir melhores condições aos expositores. Além desta iniciativa, a FIL prevê também incrementar acções no sentido de organizar feiras nas 18 províncias do país.

A FIL já organizou feira na províncias de Cabinda e Uíje, Para os próximos anos, a previsão é organizar feiras nas províncias do Zaire, Kuando-Kubango, Huambo e Kuanza-Sul.

Festa dos 30 anos
Para abrilhantar e tornar memoráveis os 30 anos de existência da Filda, que começou a sua actividade em 1983, a FIL vai organizar várias actividades de carácter sociocultural e filantrópico depois da feira, tais como o lançamento de um livro em alusão ao aniversário da feira e a criação da Fundação Filda. No dia 20, às 18h30, no Centro de Conferências de Belas, na grande gala Leões de Ouro, serão premiados os expositores da Filda 2013 nas
19 categorias.

Por ser uma ocasião especial, serão igualmente homenageadas 40 entidades individuais que, ao longo destes 30 anos, levaram a Filda ao prestígio internacional. A gala contará ainda com a participação do cantor
espanhol Júlio Iglésias.