Do total de 500 propostas recebidas nos mercados internacionais (Estados Unidos, Europa e Ásia), equivalentes a 9 mil milhões de dólares, O Executivo angolano autorizou, esta semana, nos mercados de Londres, o Ministério das Finanças a proceder a emissão de Eurobonds no valor máximo de 3 mil milhões de dólares.
A operação foi dividida em duas partes, designadamente uma primeira parcela com maturidade de 10 anos, com um valor nominal de 1,75 mil milhões de dólares dos Estados Unidos, com uma taxa de juro do cupão fixada em 8.25% e a outra segunda com maturidade de 30 anos, com um valor nominal de 1,25 mil milhões de dólares dos Estados Unidos, com uma taxa de juro do cupão fixada em 9,375%.
De acordo com o comunicado do Ministério das Finanças publicado ontem na sua página de internet, “a confiança manifestada pelos investidores internacionais levou a que Angola emitisse, pela primeira vez, um título no mercado internaiconal com maturidade de 30 anos. Angola junta-se assim à Africa do Sul e a Nigéria como os únicos países da África Sub-Saariana a emitirem um titulo com maturidade de 30 anos e, representa assim uma nova era de relação com o mercado financeiro internacional”.
Os investidores ancoraram a sua confiança na implementação das reformas do Presidente João Lourenço desde a sua eleição em Agosto de 2017, reflectidas no programa de estabilização macroeconómica do Governo, assim como no Plano de Desenvolvimento Nacional 2018-22.
A referida emissão aconteceu após uma digressão realizada por uma delegação liderada pelo Ministro das Finanças, Archer Mangueira, pelas cidades de Nova Iorque, Boston e Londres. Fizeram parte da delegação, o secretário de Estado dos Petróleos, Paulino Jerónimo, o presidente do Conselho de Administração da Sonangol e ainda quadros séniores do Ministério das Finanças, BNA e Sonangol.