No período de 1977 a 2002, o número de estudantes do ensino superior aumentou de 1.109 para 12.566, a um ritmo médio anual de 10,2 por cento.
De 2002 a 2011, o número de estudantes a frequentarem cursos de graduação em instituições de ensino superior em Angola aumentou para 140.016 alunos.
Nesse período, o ritmo de crescimento médio do número de estudantes ao ano foi de 30,7 por cento.
Em 2009, a UAN foi desmembrada, resultando em sete unidades de âmbito regional, mantendo-se a funcionar em Luanda e na província do Bengo, enquanto as faculdades, institutos e escolas superiores localizados nas demais províncias passaram a ficar afectos às demais seis novas universidades estatais.
Nas províncias de Benguela e Cuanza Sul funciona a Universidade Katyavala Bwila, (Cabinda e Zaire) 11 de Novembro, Lueji-a-Nkonde (Lunda Norte, Lunda Sul e Malanje), José Eduardo dos Santos (Huambo, Bié e Moxico), Mandume ya Ndemofayo (Huíla, Cunene, Cuando Cubango e Namibe) e a Kimpa Vita (Uíge e Cuanza Norte).
Quanto às universidades privadas, destacam-se a Católica de Angola, Upra, De Belas, Gregório Semedo, Independente de Angola, além da Jean Piaget.
Consta ainda a Universidade Lusíada de Angola, Metodista, Óscar Ribas e a Universidade Técnica de Angola.