Os preços dos bens que compõem a cesta básica tiveram uma ligeira descida entre o início de 2017 e 2018 em comparação com os de 2016. Nesse ano, um pão custava, em média, em Luanda, quase Kz 88, um frango congelado chegava a Kz 1.482 e o quilograma de carapau a Kz 3.381, enquanto o de arroz Kz 562 e o de tomate a Kz 1.455.
Foi praticamente desde o último trimestre de 2014 que a inflação em Angola começou a corroer o poder de compras dos cidadãos, acompanhando o agravamento da crise do preço do crude no mercado internacional. Este facto fez com que disparasse o custo de alimentos de primeira necessidade, levando a algumas superfícies comerciais em Luanda, a racionalizar as vendas dos produtos. De lá para cá, os preços dos bens tendem a baixar nos mercados formais e informais, apesar de registar esta semana em alguns locais uma subida significante como, por exemplo, do saco de arroz de 25 quilos que atingiu na capital os Kz 6.000, contra os 4.300 de Dezembro.
Do levantamento feito pelo Jornal de Economia & Finanças, nos supermercados da capital, apurou-se que houve uma ligeira baixa.
Por exemplo, no conjunto de compras dos 24 produtos seleccionados da cesta básica (ver tabela ao lado) no Supermercado Kero, o consumidor com um agregado familiar de três membros, poupou 8.088 kwanzas (39,81 Usd por compras), do total de Kz 51.148 (de 2017) e 43.060 kwanzas (de 2018). De 2017 a 2018, quase todos os preços dos bens variaram, excepto o quilo da farinha de mandioca que se manteve nos 699 kwanzas.
O açúcar passou de 180 a 190 kwanzas, o arroz de Kz 354 a 199, azeite (500 ml) saiu de Kz 1.030 para 1050, batata rena de 10 kg passou de Kz 1.299 para 1.195, a carne bovina bife de 1kg custava kz 3.400 para 3300, a cebola (10kg) é vendida actualmente a Kz 2.700 contra os kz 3.040, o feijão vale Kz 859 para 260. Já o leite em pó (de 1.800 gr) valia há um ano Kz 4.100 agora está à venda a 3.590 kwanzas, a massa alimentar (50 gr) a 95 kwanzas para 225, o óleo alimentar (1 litro) a Kz 365 contra os 347 de 2017.

2016
Em 2016, os preços em Luanda subiram a 42 por cento, renovando máximos históricos, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE).
Sobre o comportamento da inflação, os preços na capital subiram de Novembro para Dezembro mais 2,17 por cento, na linha dos meses anteriores, mas abaixo dos quase 4 por cento de Julho. Neste relatório do Índice de Preços no Consumidor (IPC), a capital apresentava, em Dezembro, uma inflação acumulada a um ano, de 41,95 por cento, contra os 41,15 por cento de Novembro ou os 40,04 por cento de Outubro. A taxa de variação média anual do IPC foi 0,8% em 2017 e a taxa de variação homóloga situou-se em 0,3% em dezembro

2017
Em 2017, o Índice de Preço no Consumidor (IPC) assinalou uma taxa de variação média anual de 0,8% (-1,4% no ano anterior). Excluindo do IPC a energia e os bens alimentares não transformados, a taxa de variação média situou-se em 0,0% em 2017 (0,2% no ano anterior).
Em Dezembro de 2017, o Índice de Preço no Consumidor teve uma variação homóloga de 0,3%, taxa inferior em 0,5 pontos percentuais (p.p.) à observada em Novembro.
A variação mensal do IPC foi 0,4% (0,0% no mês anterior e 0,8% em Dezembro de 2016), valor superior ao registado no mês anterior, em 0,4 p.p.