A inoperância dos cinco perímetros irrigados da província da Huíla, onde a maioria gastou recursos consideráveis ao Estado com as obras de remodelação e ampliação, preocupa sobremaneira as autoridades e populares das zonas em que estão implantados tais imóveis.

A actual descrição é desoladora, sendo que o perímetro irrigado das Ganjelas, situado no município da Chibia, o restauro da área de retenção da água, canal com 30 quilómetros de extensão, instalação de sistema de rega auxiliados por geradores termoeléctricos, não está a corresponder com as expectativas.
A empreitada que esteve a cargo de uma empresa chinesa, incidiu ainda na montagem de um sistema de rega por aspersão convencional e micro-aspersão, repartiu o perímetro em três áreas distintas, notadamente a piloto que possuía um espaço bruto de 429 hectares, dos quais 358,6 hectares agricultáveis,
divididas em 38 lotes.
A requalificação do empreendimento agrário, dezenas de pequenos e grandes agricultores foram contemplados com espaços de 2.5, 5.2 e 25.2 hectares para a lavoura de milho, citrinos, hortaliças, batata rena e doce, entre outros. Já houve colheitas animadoras.
Por razões de falta de alocação de verbas e demais apoios, a Sociedade de Gestão do Perímetro Irrigado das Gangelas (SOGANGELAS) viu-se abraços em cumprir com certas obrigações, entre as quais, ordenados, manutenção dos equipamentos mecanizados e do canal, entre outros.
Um dos ex-funcionários da empresa em referência explicou que no princípio tudo o que tinha sido projectado “caminhava de acordo com o previsto com a parcela piloto do projecto iniciar com 77 utentes, distribuídos em 39 agricultores, 20 jovens empreendedores e 17 camponeses.
Os pequenos e grandes investidores referenciados funcionam com duzentos trabalhadores. O pessoal envolvido na actividade agrícola já tinha plantado 34.615 árvores de frutas diversas, uma quantidade que
ocupou uma área de 96 hectares.
A empresa gestora que projectou em toda área produtiva 60 porcento para o cultivo de fruta, acompanhou com êxito a plantação de 26.874 árvores de laranjeiras, 2.626 de mangueiras, 3.632 tangerineiras, 1.064 goiabeiras e 1.019 limoeiros. As plantas desenvolveram sem sobressaltos e algumas já começaram a dar frutos.
Apesar dos bons resultados das campanhas agrícolas, explicou o agricultor Fernando João, não possível honrar com os compromissos de pagamento das taxas de exploração das parcelas de terras. “Começou a haver muitos atrasos, criando dificuldades financeiras
a gestora do perímetro”.
Actualmente, o perímetro de irrigação com 30 mil e 635 metros de extensão e a barragem com capacidade de armazenar três milhões e 500 mil metros cúbicos de água, está com o seu potencial industrial inactivo, muito embora certos produtores cuidam do pouco que plantaram.