O município do Luau, na província do Moxico, começa a transformar-se numa “majestosa porta de entrada” para a integração regional de África e aproximar a zona Austral do continente, como uma área de comércio livre.


No passado sábado, a pequena vila do Luau, transformou-se num verdadeiro eixo de desenvolvimento, com a presença dos Presidentes das Repúblicas de Angola, José Eduardo dos Santos, da RDC, Joseph Kabila e da Zâmbia, Edgar Lungu.

Os três estadistas testemunharam a chegada do comboio do Caminho-de-ferro de Benguela (CFB), 32 anos depois da sua paralisação, bem como a inauguração do aeroporto internacional do Luau, baptizado com o nome do general “Sapilinha Sambalanga” (um veterano natural do Moxico).

Projecto
As obras de reabilitação do CFB, um projecto que teve a testa a construtora China Ferrovia (CR20), partiram do Porto comercial do Lobito (Benguela), passando pelo pelas províncias do Huambo, Bié e Moxico, onde culmina no município fronteiriço do Luau, que Angola, a Zâmbia e a República Democrática do Congo.

No acto inaugural da estação do CFB do município do Luau, o ministro angolano dos Transportes, Augusto da Silva Tomás, ressaltou que desde a reabilitação e modernização da infra-estrutura foram investidos cerca de 199 mil milhões de kwanzas (1,9 mil milhões de dólares).

Augusto da Silva Tomás afirmou que “muitas vezes, e nem sempre de boa-fé, alguns perguntam onde é que vai o nosso dinheiro. Pois bem. Parte da resposta
está aqui no Luau”.

Aeroporto do Luau
Ainda no município do Luau, o Presidente da República, José Eduardo dos Santos, acompanhado pelos seus homólogos da RDC, Joseph Kabila e da República da Zâmbia, Edgar Lungu, inaugurou o aeroporto, baptizado com o nome de general “Sapilinha Sambalanga”.

Orçado em 7 mil milhões de kwanzas, a infra-estrutura tem capacidade para receber Boeings 737, o que contribui para maior mobilidade de pessoas e bens.

O aeroporto, construído em piso único, contempla instalações e serviços para tratamento de passageiros e bagagens, tendo uma zona administrativa, um restaurante, bar e outros serviços, ocupando uma área de, aproximadamente, 1.030
metros quadrados.

Após o corte da fita, os Chefes de Estado visitaram algumas áreas da infra-estrutura, tendo recebido informações sobre o funcionamento do novo empreendimento.

Projectos
O empreendimento contempla instalações e serviços para tratamento de passageiros e bagagem, tendo na sua envolvente zona administrativa, restaurante, bares e outros serviços, ocupando uma área de aproximadamente 1030,80 metros quadrados.

Tem a capacidade para atender na hora de pico 140 passageiros, nas zonas de embarque e desembarque, com serviços e conforto segundo as normas regulamentadas internacionalmente.

As obras tiveram início em 2013, com o objectivo de optimizar e criar condições para a operação regular de passageiros e mercadoria com os serviços e equipamentos para tratamento de bagagem, em operações aéreas com conforto e segurança tanto de dia como de noite. A pista tem um comprimento de 2.600 metros e 45 de largura.

A infra-estrutura está apetrechada de circuitos de iluminação normal é de emergência, sinalização de saída, iluminação exterior, de tomadas e de alimentação a e equipamentos gerais específicos, bem como sistemas de UPS, ar condicionado, sistema terra, protecção contra descargas atmosféricas, de bombagem e tratamento de água.

O empreendimento aeroportuário está dotado de sistemas de telefone/dados, detenção de incêndio, controlo de acesso entre outros serviços.

*com a RNA e Angop