Os inovadores, criadores e inventores angolanos têm vindo a mostrar, por meio das suas iniciativas cientificas, que a criatividade nasce com o homem, independemente da sua localização geografica ou origem, mas o que falta mesmo são apoios às criações para o desenvolvimento de milagres electrónicos e tecnologicos para levar avanta muitos projectos.

As novidades tecnológicas costumam ser bastante atrativas, para os jovens, sobretudo para os estudantes de telecomunicações e electronica, como acontece no Institutto de Telecomunicações (ITEL), que realizou uma feira de Inovação Tecnologica naquele humilde espaçio, onde jovens mostraram a sua habilidade, criatividade em projectos inovadores tecnologicos. Muitas das criações apresentadas podem mudar vidas em particular e o mundo no geral.

Rede “Social Business”
A prova disso é a criação de Benilson Gárcia e o seu colega, Constantino Dias, ambos estudantes da 12ª classe do ITEL, que uniram esforços para construir uma rede social, que ousaram em chamar “Social Buseness”, que tarda em entrar no mercado por falta de financiamento.
Os jovens, que têm entre 17 e 18 anos de idade, contam que a ferramenta criada permite ao empresário colocar os seus produtos e serviços à disposição de clientes e serem negociados em tempo real e em seis línguas diferentes, nomeadamente o inglês, português, francês, espanhol, Japonês e mandarim.
A partir desta plataforma digital, o cliente visualiza o produto e o respectivo preço, caso esteja interessado, manda uma mensagem e a loja virtual responde imediatamente, até encontrar consenso entre as partes. “Esta pode ser conectada com as demais redes existentes no mercado, com destaque para OXL”, garantem.
Os dois inventores disseram que a ideia surgiu em Maio deste ano e levou apenas um mês para ser concretizado o projecto. Neste momento decorrem diligências para encontrar um empresário interessado em investir nesta inovação.
Questionados sobre o custo do projecto Constantino Dias explicou, que a meta não é vender a iniciativa, mas sim, fazer parcerias. Para ser inserida no mercado precisa de um montante de mil dólares norte-americanos (185 mil kwanzas) para ser alojada no servidor e perto de cinco mil kwanzas mês para custear as despesas de alojamento no sistema. Além dos esforços para encontrar um financiador para esta rede social “made in angola”, decorrem esforços para registar a marca junto do Instituto Angolano de Propriedade Intelectual (IAPI).

Recuperador de sistemas
Já Jorge da Silva e Flávio José criam um sistema informático destinado a reduzir em 90 por cento os problemas relacionados com a falta de sistema nas instituições bancárias e similares. Para tal, os informáticos criaram o IPU4 e IPU 5, que vai reduzir as reclamações sobre a lentidão dos sistemas e elevar a fluidez durante o processamento da informação.
A ideia surgiu depois de se aperceberem que os outros países já criaram este tipo de soluções e esperam lançar o IPU 6 em 2019. Além desta iniciativa Jorge conta com um sistema para vigiar provas e detectar “cábulas”, alertando sobre a invasão do sistema por produtos estranhos.

Satelite acadêmico
A outra grande inovação foi a apresentação do sistema de gestão espacial nacional (GGP), que colocou no mercado, um satélite para fins académicos. A partir dele, periodicamente, a instituição simula experiências de captação de imagens, avalia a temperatura ambiente com suporte de sensores de GPS e outros.
De acordo com Marcos Romero, que fez a apresentação da invenção, a iniciativa consta entre as novidades apresentadas na semana mundial espacial, que agora conta com a contribuição de estudantes angolanos.
Segundo explicou, do ponto de vista técnico o equipamento construído por aproximadamente 30 técnicos informáticos das diferentes instituições de ensino superior do país sob supervisão do gabinete de Gestão do Sistema Espacial Nacional (GGP).

Dicionário sonoro
Por sua vez, outro criador jovem é Aldemiro Valentim, que criou um dicionário destinado a apresentar cada palavra solicitada pelo utente em som. Além de solucionar problemas de língua portuguesa, vai contribuir igualmente na resolução de cálculos matemáticos e proceder a leitura dos resultados através de som.
O dispositivo dispõe de seis placas de electrónica de circuito integrado, GPS, pilha, micro controladores, placa de comunicação e uma câmara.

Ar condicionado de baixo custo
O estudante da 11ª classe, Lukénio Pederneira, de 16 anos, residente na Cuca, criou o ar condicionado de baixo custo, pois não possui compressor, nem utiliza gás para funcionar, baixando significativamente os custos para os seus utentes. Para funcionar, explicou, o aparelho necessita apenas de gelo, água e uma cerpentina.
Lukénio Pederneira venceu, este ano, com este projecto, o prémio de primeiro classificado na feira de Inovação Tecnologica dos Paises de Lingua Oficial Portuguesa (CPLP) realizada no Brasil. “Não tive como ir receber o prémio por falta de documentos, mas estou muito feliz por isso”, disse.
O pequeno génio conta que além do reconhecimento na escola, da sociedade nada veio e na sua vida nada mudou. “ Continuo a mesma pessoa. O que mais importa para nós criadores são os apoios financeiros, que não existem”, afirmou.

Software de gestão escolar
Almeida Malembe, jovem de 18 anos, estudante do primeiro ano do Usutic, criou o sistema de gestão remota de recintos, capaz de desligar e fechar salas de aulas, janelas, portas, desligar ar condicionados e apagar lâmpadas. “Estes locais estão longe das guaritas e por isso às vezes não se sabe ao certo que locais merecem maior atenção”, e “é com esse proposito que pensei em criar esse aplicativo para poupar tempo e esforço”.

Casa inteligente centralizou atenções da Fititel

A casa foi considerada como um dos melhores projecto apresentados ao longo da 10ª edição da Feira de Inovação Tecnológica (Fititel), que aconteceu, recentemente, no Instituto de Telecomunicações (ITEL), em Luanda.
O projecto, enquadrado naquilo que são as cidades inteligentes ou “Smarts city” trazendo todas as facilidade que a tecnologia pode oferecer possibilitando, no caso o proprietário, de controlar a casa a partir de um “smartphone”, com uma conexão a internet, teve a participação de alunos e professores.
A mesma traz vídeo segurança, que pode ser acessada de qualquer parte do mundo, controlo de cargas, como por exemplo o controlo do ar condicionado, televisão, descodificador, trocando ou até mesmo bloqueando canais, das tomadas e lâmpadas tudo à distância. Ainda na maquete, mas conseguiram materializar o projecto numa estrutura real.

Inventores que mudaram o curso
da história da humanidade

Muitas são as invenções realmente mudaram o mundo, quer de uma forma geral, quer de forma especial. Na verdade, elas foram marcadas pela sua praticidade e utilidade, além de terem impulsionado a evolução em diversos aspectos. No nosso dia a dia, podemos até nos esquecer do quanto elas fazem a diferença, mas a verdade é que seria difícil imaginar a vida sem elas. Eis algumas das criações que mudaram o curso da história da humanidade:
1. Alexander Graham Bell - nasceu em Edimburgo, a 3 de Março de 1847 e foi um cientista, inventor e fundador da companhia telefónica Bell. Embora historicamente Bell tenha sido considerado como o inventor do telefone, o italiano Antonio Meucci foi reconhecido como o seu verdadeiro inventor, em 11 de Junho de 2002, pelo Congresso dos Estados Unidos da América, através da resolução N°. 269. Meucci vendeu o protótipo do aparelho a Bell nos anos 1870;
2. Guglielmo Marconi - este nasceu em Bolonha, a 25 de Abril de 1874, em Roma, Itália. Ele foi um físico e inventor italiano, tendo inventado do primeiro sistema prático de telegrafia sem fios (TSF), em 1896. Marconi baseou-se em estudos apresentados em 1897 por Nikola Tesla para em 1899 realizar a primeira transmissão através do Canal da Mancha.
A teoria de que as ondas electromagnéticas poderiam propagar-se no espaço, formulada por James Clerk Maxwell, e comprovada pelas experiências de Heinrich Hertz, em 1888, foi utilizada por Marconi entre 1894 e 1895;
3. Garrett Morgan - Garrett Augustus Morgan foi um inventor afro-americano que inventou um tipo de capa de protecção respiratória, além de ter o mérito de ter inventado o semáforo e a preparação do alisamento de cabelo. É famoso por ter salvo vários trabalhadores presos em um sistema de túneis numa caverna cheia de fumaça. Morgan nasceu a 4 de Março de 1877, em Paris, Kentucky, nos EUA e faleceu a 27 de Julho de 1963, Cleveland,
Ohio, no seu país, EUA;
O semáfero é um instrumento utilizado para controlar o tráfego de veículos e peões nas grandes cidades em quase todo o mundo. É composto geralmente por três círculos de luzes coloridas. O controlo semafórico permite alternar o direito de passagem na zona de conflito de uma intersecção;
4. Steven Paul Jobs - nasceu em São Francisco, Califórnia, a 24 de Fevereiro de 1955 e morreu em Palo Alto, Califórnia, 5 de Outubro de 2011. Em vida ficou conhecido por ser um inventor, empresário e magnata americano no sector da informática. Notabilizou-se como co-fundador, presidente e director executivo da Apple Inc. e por revolucionar seis indústrias: computadores pessoais, filmes de animação, música, telefones, tablets e publicações digitais.
Além da sua ligação com a Apple, foi director executivo da empresa de animação por computação gráfica Pixar e accionista individual máximo
da The Walt Disney Company;
5. William Henry Gates - nasceu em Seattle, a 28 de outubro de 1955, mais conhecido como Bill Gates, é um magnata, empresário, director executivo, investidor, filantropo e autor americano, que ficou conhecido por fundar junto com Paul Allen a Microsoft, a maior e mais conhecida empresa de software do mundo em termos de valor de mercado.
Gates ocupa actualmente o cargo de presidente não-executivo da Microsoft, além de ser classificado regularmente como a pessoa mais rica do mundo, posição ocupada por ele de 1995 a 2007, 2009, e de 2014 a 2017. É um dos pioneiros na revolução
do computador pessoal;
6. O inglês Alan Turing é considerado o “pai do computador”, tendo mostrado ao mundo a sua invenção na década de 30. Entretanto, a primeira máquina capaz de fazer cálculos poderia ter sido inventada no século XIX, caso Charles Babbage tivesse tido condições de viabilizar o seu projecto.
A tese é defendida pelos pesquisadores do Museu de Ciência de Londres. Nas suas instalações, o espaço cultural abriga os esboços desenhados por Babbage. Baseado neles, o museu planeja construir pela primeira vez a máquina que poderia ter sido o pontapé
inicial da computação.
Chamada de “Difference Engine”, a máquina funcionaria como uma espécie de calculadora, podendo computar grupos de números. Uma das peças necessárias para a criação do equipamento ficou pronta apenas no ano 2000.

Web Summit: a maior cimeira de tecnologia e empresarial do mundo
já conta com a participação de mais angolanos e 25 startups africanas

A Web Summit, originalmente Dublin Web Summit, é uma cimeira de tecnologia e empresarial que é realizada anualmente desde 2009. A empresa foi fundada, em Dublin, Irlanda, por Paddy Cosgrave, David Kelly e Daire Hickey. O tópico da cimeira está virado para a tecnologia da Internet e os participantes vão desde empresas da Fortune 500 até pequenas empresas de tecnologia.

A última edição aconteceu na Altice Arena e na FIL, no Parque das Nações, em Lisboa, Portugal, com o objectivo de dar a conhecer as principais tecnologias do mundo e os principais empresários do sector. No ano passado o evento contou com mais de 59 mil pessoas e, este ano, a organização recebeu mais de 70 mil visitantes.
Sengundo dados avançados pela organização publicados no fim do evento, esta edição mais de 170 países, entre os quais mais de mil e 200 oradores, duas mil startups, mil e 400 investidores e dois e 500 jornalistas.
A Appy Saúde foi a representante de Angola ao deste ano, regressando ao certame, depois de ter participado em 2017, onde fez parte das 25 startups africanas, entre as quais, 4 angolanas, que marcaram presença no encontro.
Em destaque estiveram cinco (5) startups africanas e dentro dessas, a Appy Saúde, disponibilizou os seus serviços pela aplicação móvel (Google Play Store e App Store) e o seu website (www.appysaude.co.ao), com a meta principal de contribuir para o acesso mais eficiente à saúde em África, através de tecnologias digitais. Lançada em Angola, seu país de origem, a Appy Saúde tem estado a conquistar o mercado, conectando médicos, farmacêuticos e pacientes, numa única plataforma: Único e inovador!

Importância de África
Durante o evento, o continente africano foi considerado, por vários investidores de renome internacional, um mercado apetecível para as startups na área das telecomunicações, mas é preciso estabilidade política e formação de jovens para que possam empreender neste domínio.
Para eles, a África tem muito a ganhar com o investimento nas novas tecnologias de informação e de comunicação, mas é necessário um grande apoio político e formação de recursos humanos para tirar vantagens do acesso à Internet.
As grandes empresas de telecomunicações africanas, na opinião de alguns dos participantes africanos, devem ser chamadas a participar e a financiar os vários projectos que vão surgind o pelo continente.