Um total de 430 quilómetros de estradas do troço Cabo Ledo (Luanda)/ Lobito (Benguela) começam a ser recuperadas, no âmbito do plano operacional da linha de crédito da China, cujas obras terão a duração de14 meses.

O acto de consignação das obras enquadradas no programa de reabilitação das infra-estruturas estruturantes da rede primária nacional, numa iniciativa do Ministério da Construção, teve lugar na passada terça-feira, em vários pontos ao longo do troço, testemunhado pelo titular da pasta, Waldemar Pires Alexandre, governadores das províncias do Cuanza Sul, Eusébio Teixeira de Brito, e de Benguela, Isaac Maria dos Anjos, além do director-geral do Instituito Nacional de Estrdas de Angola (INEA), por representantes das empresas chinesas envolvidas no projecto e outras individualidades.

Empreitadas
O projecto contempla 250 km de extensão da rede primária, no percuso Cabo Ledo/rio Keve/ Sumbe e 180 no troço Sumbe/ Lobito. Subdividido em vários lotes, designadamente Cabo Ledo/ ponte do rio Longa, numa extensão de 75,2km, cuja empreiteira será a construtora chinesa Qingjian group, com o custo da obra avaliado em mais de 35,4 milhões de dólares norte-americanos, e que prevê gerar 290 empregos, entre nacionais e expatriados.

Está ainda consignada a obra ponte o rio Longa/rio Keve, numa extensão de 92,7 km, rio Keve/ Sumbe, Sumbe/ponte sobre o rio Eval (78,2), num investimento de 58,4 milhões de dólares, gerando 300 empregos, cuja execução é da responsabilidade da empreiteira chinesa Sinohydro.

O projecto abrange ainda o percurso ponte sobre o rio Eval/ ponte sobre o rio Culango (62,9), num custo de 36,7 milhões, a ser desenvolvida pela firma Sinomach, que prevê 290 empregos. A construtora chinesa Sinomach também irá reparar o percurso rio Culango/Lobito (39,1), com o custo de 27,5 milhões, com previsão de 260 trabalhadores.

A iniciativa governamental contemplou também a reabilitação do troço Gabela/Quilenda, na estrada nacional N110, numa percurso de 35 km, obra que será desenvolvida pela a empresa CR20, num custo de 27,3 milhões de dólares, com um total de 180 empregos.

Satisfação
Em declarações à imprensa, o governador da província do Cuanza Sul, Eusébio Teixeira de Brito, informou que o projecto de consignação das obras representa um passo rumo ao progresso da província, na medida em que, vai melhorar a circulação de pessoas e bens em vários eixos. Entre os vários eixos em reabilitação, o responsável destacou a via Gabela/Quilenda, que no seu entender é de estrema importância, já que a região tem um grande potencial agricola, principalmente na produção de café.

“A diversificação da economia do país vai passar por estas importantes infra-estruturas rodoviárias”, destacou. Considerou igualmente de uma mais-valia a consignação das obras que visam à reabilitação da estrada nacional 120, no troço Alto Dondo/Waku.

250 = QUILÓMETROS
É a extensão da rede primária no percurso Cabo Ledo/rio Keve/Sumbe e mais outros 180 no traçado Sumbe/Lobito.

35,4 = MILHÕES DE DÓLARES
É quanto está orçada a reparação do troço Cabo Ledo/Sumbe e que vai gerar 290 novos empregos directo.

27,5 = MILHÕES DE DÓLARES
Representa o investimento a aplicar na melhoria do tapete asfáltico entre o rio Culango e o município do Lobito.