Para a presente campanha agrícola, a nível da província de Malanje, está previsto a produção de algodão, tendo já sido feita uma experiência numa extensão de 48 hectares, no município de Cunda dia Base, prevendo-se uma colheita de duas toneladas de algodão.
Segundo o director provincial da Agricultura e Florestas, Carlos Chipoia, para esta época estima-se ter acima de 300 hectares para a produção de algodão, nos municípios de Cunda dia Base, Cahombo e Quela, regiões com um histórico positivo na produção de algodão.
Fez saber ainda que o Governo do Japão está interessado no cultivo do algodão, tendo feito por isso, um ensaio numa área de cinco hectares, com 10 variedades, com ajuda do sistema de irrigação gota a gota.
Para ele, avizinham-se “bons tempos” para a produção de algodão na província de Malanje e que, acredita-se num passo importante para o próximo ano agrícola e uma produção com significância.
Por esta razão, revelou, será necessario a instalação de uma descascadora de algodão e “fardadeiras eventualmente para podermos apoiar as famílias como o sector empresarial no aumento da produção”.

Mais produção
No âmbito do programa de extensão rural, um total de 65 mil famílias em Malanje serão abrangidas, sendo que 2.135 beneficiarão do apoio do projecto Mosap, para agricultura familiar, com inputs agrícolas, formação e visitas esporádicas de técnicos da agricultura.
Carlos Chipoia disse que o projecto Mosap tem 72 propostas de subprojectos que vão apoiar a presente campanha agrícola.
Estas iniciativas estão viradas também para a preparação de terras e fornecimento de sementes ( quatro toneladas de semente de milho e 83 de feijão), num investimento avaliado em 2 milhões e 400 mil dólares.
Referiu que existe em Malanje um total de 16 Estações de Desenvolvimento Agrário (EDA), com presença de 51 técnicos, o que considera um número bastante irrisório.
Está previsto para o próximo período, a produção de 1 milhão e quinhentas toneladas de diversos produtos, recaindo sobretudo, grande parte desta produção para a cultura da mandioca com 1 milhão e 300 toneladas.
O responsável destacou que os níveis de produção de milho também vão crescer substancialmente, prevendo-se colher 18 a 20 mil toneladas.
Os níveis de produção de milho também vão crescer substancialmente porque estamos a prever uma produção de 18 a 20 mil toneladas desta cultura, estando já neste momento a desbravar terrenos em Kangandala e Kalandula para se produzir milho e soja.
Actualmente estão a ser desbravados terrenos em Kangandala e Kalandula para a produção de milho e soja.
O responsável disse também que se prevê a preparação de mais de 1.700 hectares de terra mecanizada, sendo que no âmbito do fomento da agricultura, o Ministério prevê mais 1.500.
O responsável disse também que se prevê a preparação de mais de 1.700 hectares de terra mecanizada, sendo que no âmbito do fomento da agricultura, o Ministério prevê mais 1.500.
A província prevê desenvolver a fruticultura familiar, que estima-se abranger 1.500 famílias, medida que vai ajudar a reduzir a dependência das frutas vindas de outras paragens do país.

Escoamento
Carlos Chipoia destacou que, o melhoramento das vias vai permitir melhorar a circulação e consequentemente o escoamento dos produtos do campo, principalmente nos municípios que distam a vários quilómetros da cidade capital da província.
Por outro lado, considerou positivo, a inauguração do parque industrial de Cacuso, enquadrado no programa da indústria rural.
O projecto vai facilitar a transformação da produção agrícola local e poderá motivar as pessoas a produzirem mais.