PLANO METROPOLITANO
O Plano Director Geral Metropolitano de Luanda (PDGML), que é um “mapa” onde estão definidos um conjunto de acções, vai ajudar a melhorar a qualidade de vida das populações. Entre as várias acções, consta a construção, reabilitação e modernização de infra-estruturas integradas, com realce para a estratégia de melhoria da mobilidade, visando aumentar a sua capacidade, nomeadamente a da rede de vias rápidas existentes, assim como criar uma rede integrada eficiente dos transportes públicos.

BNA
O Banco Nacional de Angola (BNA) está a implementar medidas de racionalização com as quais pretende garantir que o acesso às divisas no sector financeiro responda às necessidades prioritárias dos agentes económicos.

OFERTA DE CASAS
Mais de 170 mil casas sociais estão em conclusão em todo o país. Existem 62.415 habitações construídas pela Imogestin, 16.577 pela Kora Angola, 10.480 no quadro dos 200 fogos por municípios e 88.698 pela promoção público-privada e cooperativa.

LAÚCA
A Central Hidroeléctrica de Laúca, que é inaugurada no decurso deste ano,  prevê gerar 2.070 Megawatts de energia, o que ajudará no reforço da capacidade de fornecimento do fluído eléctrico a nível do território nacional. Além da Barragem de Laúca, o Ciclo Combinado do Soyo juntos poderão produzir 5 mil MW.

PRODUÇÃO DE OVOS
A Pérola do Kikuxi produz mais de um milhão de aves e uma produção de um milhão de ovos diariamente, sendo já considerada a maior produtora do país. Foi possível atingir os níveis de produção graças ao processo de modernização e ampliação das suas infra-estruturas, que beneficiaram, desde 2012, de um investimento avaliado em mais de 60 milhões de dólares.

MOXICO
No Moxico, está a ser implementado desde Novembro de 2013, o projecto agro-industrial de Camaiangala, o que contribuirá para o processo de diversificação através do cultivo de feijão, batata-doce e rena, amendoim, melancia, arroz, milho e hortícolas diversas, no sistema de irrigação e de sequeiro. Orçado em 70 milhões de dólares, o projecto vai gerar maior número de emprego aos jovens locais, que irão envolver-se no processo de combate à fome e redução da pobreza no seio da população.

HUAMBO
A província do Huambo apresenta condições climáticas para a produção de trigo, com destaque para os municípios do Ecunha, Londuimbali e Chicala-Cholohanga, além das províncias da Huíla, concretamente na parte  Norte, Bié, Benguela e Malanje, com elevado potencial, sendo que, em algumas já se produzia, em tempos idos, 25 mil toneladas de trigo.

PRODUÇÃO DE TRIGO
O projecto de produção de trigo no Huambo prevê a inserção inicial de 32 empresas, com áreas de produção acima de 500 hectares, devido ao facto de a produção industrial de trigo exigir uma vasta extensão de terra por causa da mecanização, já que a produção actual de trigo está limitada a pequenos agricultores, que trabalham sem padrões mínimos exigidos em termos de qualidade para a industrialização. A província do Huambo prepara-se assim, para se tornar na principal fornecedora de matéria-prima para os projectos de produção de farinha.

MOAGEIRAS
O projecto das Grandes Moagens de Angola, que está na linha da estratégia do Executivo no que respeita à produção nacional de farinha de trigo, tem conclusão prevista para 2017. O projecto, de iniciativa privada, terá a capacidade de produzir 1.200 toneladas de farinha por ano e enquadra-se no processo que visa criar condições para o aumento da produção nacional.

INVESTIMENTO PRIVADO
A empresa Dacafy investe 40 milhões de euros na remodelação de uma moageira no município do Lobito, província de Benguela, cujo investimento permitirá a produção de trigo em grande escala e a instalação de uma rede de padarias contentorizadas em 15 províncias do país. O projecto tem a conclusão prevista até finais deste ano e processará numa primeira fase cerca de 220 toneladas de trigo por dia.

NOVOS EMPREGOS
A moageira do Lobito vai gerar cerca de 1.467 postos de trabalho directos dos quais 1.457 nacionais e contribuirá para a criação de postos de trabalho indirectos ligados à rede de distribuição de pão e de farinha de trigo, qualificação de mão-de-obra, substituição da importação e propiciar o abastecimento ao mercado nacional com destaque para as zonas rústicas.

PADARIAS CONTENTORIZADAS
Em 2017, o projecto conclui o processo de implantação de 15 padarias contentorizadas em diversas províncias do país, nomeadamente Luanda, Moxico, Cuando Cubango, Lundas Sul e Norte, Uíge, Benguela, Cunene, Malanje, Zaire, Bié, Huambo, Cuanza Sul, Huíla e Cabinda.

SAL IODIZADO
Este ano estão previstas a produção de 120 mil toneladas de sal iodizado no quadro do Plano Nacional de Desenvolvimento (PND) 2013-2017. As necessidades do país, em termos de consumo de sal, destinadas para o consumo humano, animal e industrial, rondam as 250 mil toneladas/ano. A produção interna é assegurada pelas províncias do litoral, nomeadamente Namibe, Benguela, Cuanza Sul, Zaire, Luanda e Bengo.

NOVA AGROLÍDER
A Nova Agrolíder exporta produtos agrícolas para o mercado congolês, numa fase experimental, pouco mais de 60 toneladas de produtos diversos e 200 para Portugal e Espanha, países onde pretende incrementar o volume de exportação de banana e café nacional. Até agora a empresa já investiu mais de 200 milhões de dólares no país, tornando-se num dos maiores produtores agrícolas a nível nacional. Anualmente produz mais de 150 mil toneladas de produtos agrícolas diversos como banana, papaia, hortaliças, frutas, pepino, só para citar estes, e emprega mais  de dois mil trabalhadores.

REDE DE LOJAS
Encontra-se em fase de implementação a criação de uma rede de lojas de proximidade para comercialização dos bens da Rede Agrolíder, sob a marca Da Hora. Inicialmente, as lojas serão implantadas nas províncias onde a empresa actua actualmente, como Luanda, Cuanza sul e Bengo, para depois serem estendidas noutras províncias.

COOPERATIVAS
As cooperativas existentes em Angola estão a ajudar na criação de novas oportunidades de emprego e contribuir significativamente para o aumento da produção de bens e serviços.

PLATAFORMAS LOGÍSTICAS
Angola vai contar, nos próximos tempos, com cinco novas plataformas logísticas para promover o comércio transfronteiriço com os países vizinhos, nomeadamente a Namíbia, Zâmbia, República do Congo e a República Democrática do Congo (RDC), além de abrir portas para o mercado da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC). Esse projecto será implementado numa perspectiva de integração e complementaridade com os grandes desafios que se colocam ao crescimento económico e industrial do país. No quadro das plataformas logísticas está prevista a criação de 44 plataformas de primeiro ao terceiro níveis de tipologia urbanas, regionais, portuárias e centros de cargas aéreas nos principais aeroportos do país.

ESTUDO PILOTO
Um estudo-piloto sobre formação e empregabilidade, realizado no segundo semestre de 2016, é esperado com grande expectativa, uma vez que promete contribuir para a análise da oferta de formação de nível profissional, médio técnico e superior face à procura do mercado de trabalho nos vários sectores. É uma iniciativa conjunta dos ministérios da Administração Pública, Trabalho e Segurança Social (MAPTSS), da Educação (MED) e do Ensino Superior (MES) com o apoio do Gabinete de Quadros da Casa Civil do Presidente da República, através da Unidade Técnica de Gestão do Plano Nacional de Formação de Quadros (PNFQ)

EMPREENDEDORISMO
O programa de incentivo ao empreendedorismo tem merecido uma atenção especial por parte do Executivo para o fomento do primeiro emprego, como exemplo os programas de micro-crédito e a implementação dos Centros Locais de Empreendedorismo e Serviços de Emprego (CLESE), onde se promove também parcerias entre o sistema de ensino e formação profissional e as empresas.

GERAÇÃO DE EMPREGO
A geração de emprego nos últimos três anos e primeiro trimestre de 2016 permitiu que pessoas que estiveram noutros sectores como o petrolífero pudessem encontrar oportunidades em outros como Energia e Águas, Geologia e Minas, Comércio e Transportes. No primeiro semestre do ano passado 76.794 postos de trabalhos foram criados no sector da Energia e Águas, Geologia e Minas, Comércio e Agricultura.

CONSTRUÇÃO
O Executivo deu luz verde ao Ministério da Construção para iniciar o plano de consignação de empreitadas com empresas parceiras chinesas no âmbito da estratégia nacional de interligação por via terrestre e que vai em poucos meses devolver comodidade e segurança à circulação de cargas e pessoas. Um total de 430 quilómetros de estradas do troço Cabo Ledo (Luanda)/Lobito (Benguela) estão a ser recuperadas, no âmbito do plano operacional da linha de crédito da China, cujas obras terão a duração de 14 meses.

CRÉDITO DA CHINA
A Linha de Crédito da China (LCC) a Angola vai financiar 155 projectos com 5,2 mil milhões de dólares, a executar por empresas chinesas, estimando o Governo angolano à criação de quase 365 mil empregos.

ENERGIA E ÁGUAS
O sector da energia e águas lidera, em termos dos montantes a investir, entre nove sectores, com 2.174 milhões de dólares alocados para 34 projectos. Neste sector, só o projecto para reabilitação e reforço do sistema de abastecimento de água na província de Cabinda, está a ser desenvolvido em um ano e seis meses (até 2018), vai custar 209 milhões de dólares e gerar, na perspectiva do Executivo, 42.421 empregos.

INVESTIMENTOS NA EDUCAÇÃO
O sector da construção contará com 33 projectos, mobilizando 1.644 milhões. A educação concentra o maior número de projectos, num total de 55, sobretudo na construção de escolas, num investimento global de 373 milhões de dólares.

FADA
O Fundo de Desenvolvimento Agrário (FADA) reactivado recentemente pelo Executivo angolano vai se especializar em apoiar a política de fomento agrário no país. Sob tutela do Ministério das Finanças, foi criada uma Comissão de Gestão e Reestruturação do FADA, presidida por um representante das Finanças e coadjuvado por quadros do Ministério da Agricultura e técnicos.

BIOCOM
A Companhia de Bioenergia de Angola (BIOCOM), localizada no pólo agro-industrial de Capanda, no município de Cacuso, em Malanje, produziu na colheita 2016/2017, 51.500 toneladas de açúcar branco, com a marca “Kapanda”, enquanto ao etanol, a cifra indica que foram produzidos 16 mil metros cúbicos e a geração de energia eléctrica a 155 mil MWh.

NAMIBE
No município do Tômbwa, província do Namibe, inaugurou-se em 2016 uma fábrica com capacidade para produzir 90 toneladas de pescado e 500 de armazenamento. A unidade está a capturar as espécies como a sardinha, cavala e o carapau. O projecto vai empregar 150 trabalhadores, principalmente jovens daquela vila piscatória.