A estratégia definida pelo Executivo angolano, em relançar a Sécil Marítima, deu resultados positivos desde 2016, período em que se aprovou o programa de apoio logístico para transporte de equipamentos, materiais e outros meios da China para Angola, inserido no âmbito da implementação da linha de crédito da China (LCC)” para projectos estruturantes afectos a diferentes Ministérios, nomeadamente dos Transportes, Construção e Energia e Águas.
Para o efeito, acautelou-se ainda nos termos e condições de outorga dos contratos de empreitada entre os diferentes Ministérios (seus institutos e empresas) com as empresas empreiteiras chinesas e o transporte a efectuar por via marítima entre a China e Angola, bem como a gestão de todo o processo de operações logísticas num serviço de entregas “porta a porta”, pela empresa armadora de bandeira nacional. Este processo teve início com uma forte campanha de divulgação e sensibilização levada a cabo pelo Ministério dos Transportes, Instituto Marítimo e Portuário de Angola (IMPA) e pela Sécil, junto das instituições do Estado e empreiteiras chinesas.
O presidente do Conselho de Administração, Carlos Marçal André, enfatizou os esforços empreendidos, na medida em que, no ano de 2016, já na actual conjuntura económica e financeira do país, a Sécil não possuía frota própria, recursos financeiros, facilidades de acesso a créditos e a cambiais.
Os esforços resultaramna criação de parceiras com empresas chinesas, na qual resultou na assinatura de dois contratos, nomedamente com a Sinotrans e com a Cmec Comtrans.
Números
O transporte por via marítima entre a China e Angola registou, desde Janeiro de 2016, cerca de 60 mil toneladas de carga geral, 600 contentores e 910 viaturas. Na apresentação, o gestor falou dos custos inerentes às operações logísticas que são maiores a partir de Angola, no valor de 11 milhões 131 mil 445 dólares do que na origem, ou seja, da China para Angola, que ficou à volta de 9 milhões 176 mil 179 de dólares.
Nas operações, as contribuições ao Estado angolano correspondem a 51 por cento do valor, totalizando 5 mihões 635 mil 170 dólares, distribuídas pela Administração Geral Tributária (AGT), Ministério do Comércio e Conselho Nacional de Carregadores (CNC), seguindo-se os portos com 2 milhões 543 mil 316 dólares.

De Janeiro a 30 de Junho de 2017

Assinalou-se um total de 40 contratos, dos quais 38 assinados, o que representou uma taxa de realização de 95 por cento, ficando a faltar dois contratos, designadamente com as empresas AVIC e CRBC. Além disso, houve 84 pedidos de serviços de transporte, 68 propostas, algumas foram efectuadas e entregues, o que corresponde a uma taxa de realização
de 80,95 por cento.

Transacções

De um total de 93 operações adjudicadas, foram concluídas 58 operações representativas de uma taxa de realização de 62,37 por cento e encontravam-se em curso as restantes 35 (37,63 por cento).Constitui preocupação fulcral o encerramento operacional das contas de escala para posterior reconciliação financeira. No entanto, Carlos Marçal assegura que as áreas operacional e financeira da Sécil encontram-se a trabalhar nesse sentido.