Os cerca de 400 empresários, entre espanhóis e angolanos, que se reuniram, recentemente, em Madrid, constataram existência de oportunidades e de um mercado comum para as duas economias, atendendo o potencial de captar novos investimentos que estes países dispõem.

O facto de as trocas comerciais, efectuadas nos últimos três anos entre Angola e Espanha, se fixarem em pouco mais de 53 mil milhões de kwanzas/a no (cerca de 800 m ilhões de dólares) em exportação petrolífera e 20 mil milhões de kwanzas /a no (300 milhões de dólares) de exportação em bens alimentares dão a perspectiva de que é possível, até 2014, a abertura de negócios em áreas fundamentais e de interesses estratégicos.

Indicadores da Agência Nacional para o Investimento Privado (ANIP) atestam que, nos últimos anos, os espanhóis deram entrada de 67 propostas de abertura de novos negócios no país, avaliadas em pouco mais de 13 mil milhões de kwanzas (equivalentes a 140 m ilhões de dóla res). Todav ia , é na formação e qualificação técnica da força de trabalho que as rela ções de cooperação devem orien tar a aplicação de capitais. O ministro da Economia Abraão Gourgel, que chefiou a comitiva angolana, lembrou esta
rem, localmente, criadas as condições para que os empresários possam fixar os seus interesses.