O presidente do Conselho de Administração do Banco Internacional de Crédito (BIC), Fernando Teles, anunciou, recentemente, em Luanda, que a sua instituição vai constituir uma sociedade para actuar no segmento da agro-pecuária a denominar-se “BIC agro-pecuária”.

Segundo disse, o potencial agrícola que o país apresenta deve, continuamente, mobilizar novos actores e investidores, sobretudo em sectores estratégicos como é o caso da agricultura e da criação de gado.

Assumindo-se como um “homem do campo”, Fernando Teles disse ter boas recordações dos tempos em que da produção de algodão à do café, da criação de caprinos a bovinos, o corredor centro norte, a título de exemplo, mostrava inúmeras potencialidades.

Garantiu que a sociedade agro-pecuária é uma iniciativa dos sócios do banco, que têm no sector primário a alternativa à dependência que se vive do sector mineral, nomeadamente ao petróleo e diamante.

Lembrou também que o seu banco tem muito dinheiro investido já na agro-pecuária, uma vez que tem priorizado financiamentos aos fazendeiros e criadores um pouco pelo território nacional.

Angola Investe
Fernando Teles disse que o programa Angola Investe, de iniciativa do Executivo angolano, deve ser visto como uma oportunidade para os agentes económicos, sobretudo os que actuam nos sectores produtivos.

Para ele, este é um mecanismo para se conseguir financiamento barato e com garantias públicas. O que resta, em seu entender, é os operadores apresentarem programas fiáveis e com forte margem de sucesso.

Para Fernando Teles, o Estado e os bancos, no programa Angola Investe, estão a arriscar, mas têm que arriscar com empresários sérios, porquanto alguns empresários habituaram-se mal e não são sérios na apresentação de projectos, razão pela qual há muito crédito mal parado.

“Quando nós conhecemos a sua forma de actuar e há informações negativas a seu respeito, nós não podemos estar a aprovar projectos de financiamento relativamente a empresários que nós sabemos que não vão ter sucesso, porque estão ali para não ter sucesso. Mas estão aí para retirar fundos dos bancos e depois não pagar”, denunciou.

O presidente do banco BIC garantiu que está e vai continuar a apoiar empresários que pensam pagar aos bancos e contribuir para o desenvolvimento da economia angolana.

Um financiamento, avaliado em dois mil milhões e 400 milhões de kwanzas, para viabilizar a implementação de um projecto de produção de milho em grande escala, no município da Kibala, província do Kwanza-Sul, foi aprovado em Dezembro último, pelo banco BIC, anunciou hoje o seu presidente do conselho de administração, Fernando Teles.

A iniciativa empresarial, que surgiu no âmbito do programa Angola Investe, é um projecto integrado que terá uma fábrica de rações, uma de fuba, área para criação de porcos e um matadouro.