O presidente do Conselho de Administração da Sociedade de Desenvolvimento do Pólo Agro-Industrial de Capanda (Sodepac), Carlos Fernandes, garantiu que o pólo vai continuar a beneficiar as famílias gerando as oportunidades e aumento do rendimento para o seu sustento.

Segundo ele, é prioridade da Sodepac fortalecer a agricultura familiar levando os seus produtos, de forma competitiva aos grandes mercados retalhistas, transformando a agricultura de subsistência em pequenos negócios rurais organizados em cooperativas e, posteriormente, integrar algumas dessas unidades familiares às cadeias produtivas do programa como fornecedores de produtos.
Em declarações à imprensa, Carlos Fernandes afirmou ainda que existe um modelo de integração no pólo agro-industrial de Capanda que se baseia no comportamento das cadeias produtivas, pois “nos dias de hoje quem produz tem grandes dificuldades de comercializar e não é por acaso que surge o Programa de Aquisição de Produtos Agro-pecuários (Papagro)”.

Cadeias produtivas
“No pólo, a nossa pretensão é que estas cadeias produtivas sejam fechadas pelos agentes que desenvolvem as suas actividades sobretudo com a produção dos grãos, açúcar e mandioca e que sejam geridas por empresas âncoras”, frisou, acrescentando que o Pac tem um investimento avaliado em 100 milhões de dólares, dos quais 65 por cento deste montante já está em execução.

De acordo com ele, perspectiva-se que o Pac sirva de modelo para outras regiões do país, por esta razão é que neste momento está a ser concluída as infra-estruturas rodoviárias no interior do pólo cuja execução das obras ronda os 65 por cento de execução física e 75 por cento das linhas de transmissão eléctrica, bem como ampliação das subestações de Cacuso, Malanje e alguns ajustes na hidroeléctrica de Capanda.

Papagro em Malanje
O director provincial da Agricultura em Malanje, João Manuel, sublinhou que o sector agrícola na região é baseado sobre tudo na agricultura familiar e durante esses anos assiste-se a um aumento considerável da produção dos mais variados produtos.

Por esta razão, já foi feito o levantamento dos locais de produção onde será implantado as infra-estruturas do programa Papagro e nos próximos tempos as populações locais também terão acesso aos benefícios que o referido programa garante.

A cultura da mandioca tem sido a que mais se produz, seguido do feijão, milho, batata-doce, amendoim, entre outras.

Na ocasião, a empresa Maersk Oil Angola efectuou a entrega de um camião frigorífico às comunidades produtoras. Segundo o director adjunto da empresa, André da Costa, esta doação faz parte do investimento que se tem vindo a fazer ao programa agrícola familiar “Kukula Ku Moxi” e terá como principal objectivo o apoio na recolha dos produtos que estão a ser cultivados no campo de modo a garantir que estes cheguem no melhor estado de conservação aos diversos clientes.

O responsável destacou que este programa aposta igualmente na diversificação da economia, através da agricultura, que se acredita ser uma área vital para o desenvolvimento do país e consequentemente o melhoramento das condições de vida das populações.