As operações com Títulos da Dívida Pública do Mercado Secundário, operado pela Bolsa de Dívida e Valores de Angola (BODIVA), concretizaram um negócio de mais de 38,1 mil milhões de kwanzas em Fevereiro, acima dos kz 30 mil milhões do mês de Janeiro deste ano. Nos dois primeiros meses do ano, o total de negócio ficou em mais de kz 68 mil milhões.
Participado por 16 membros efectivos, dos quais 14 bancos e outros dois não financeiros, o “Dashboard” - painel de controlo dos fluxos de informações registadas em bolsa atesta que o Banco de Fomento Angola (BFA) foi quem mais negócios (50) concretizou, captando mais de 50 mil milhões de kwanzas nos dois meses de operações.
Quanto as maturidades preferenciais dos investidores, os títulos vencidos em 2020 foram os mais negoceados com 38,2 mil milhões em Janeiro e Fevereiro, seguindo-se-lhe os de 2021, com kz 14,3 mil milhões; 2018, com 7,0 mil milhões e 2022, com 5,3 mil milhões, nessa ordem de precedência. Há também, embora em números menos expressivos, as negociações dos títulos de 2019, com 2,1 mil milhões de kwaanzas e os de 2023 com 1,1 milhão no somatório dos 68 mil milhões.

Preços médios
Os Bilhetes do Tesouro (BT) negociados apresentaram-se com um preço médio de 874,33. Já as Obrigações do Tesouro Não Reajustáveis (OTNR) sinalizaram o preço médio de 71,97 ao passo que as Obrigações do Tesouro Indexadas à Taxa de Câmbio (OTXC) posicionaram-se nos 99,59.
No ano passado, por exemplo, a Bodiva negociou 525,1 mil milhões de kwanzas, contra os 365,9 mil milhões do ano anterior, numa subida de mais de 40 por cento.
Nos meses de Janeiro a Dezembro de 2017, o montante médio mensal de negociação foi de kz 43,7 mil milhões, com mais 13,3 mil milhões (44%) comparativamente aos 30,4 mil milhões de 2016.
No ano 2017, os meses com maior montante negociado foram Dezembro, Novembro e Agosto, com 131,2 mil milhões de kwanzas, 86,2 mil milhões e 62,8 mil milhões, respectivamente. Em média, em 2017, ocorreram 140 negócios por mês, sendo que os meses em que se realizaram mais negócios foram Dezembro, Novembro e Outubro.
Sobre o número de negócios realizados, foi registada uma diminuição de 17 por cento face a 2016, pois os 1.685 registos estão abaixo dos 2.039 que ocorreram em 2016.
As Obrigações do Tesouro são um instrumento de dívida de médio e longo prazo (maturidade superior a 364 dias), utilizado pelo Estado angolano para conseguir obter recursos necessários para as suas necessidades de financiamento e investimento.

Membros aderentes
São membros subscritores da Bodiva, até ao momento, os bancos Angolano de Investimento (BAI); Internacional de Crédito (BIC); Caixa Angola; de Comércio e Indústria (BCI); de Crédito do Sul (BCS); de Negócios Internacional (BNI); de Poupança e Crédito (BPC); Económico (BE); Fomento Angola (BFA); Millennium Atlântico (BMA); Prestígio (BP); Regional do Keve (BRK); Sol; Standard Bank Angola (SBA), todos no segmento de negociação e liquidação, e a Growth SCVM e a Madz Global SCVM, ambas no segento só de negociação.
Dentro da categoria de membros Bodiva existem três (3) diferentes categorias, sendo o associado (1), que é aquele agente de intermediação, ou outra entidade legalmente autorizado, que negoceie nos mercados geridos, unicamente para a carteira própria; o de liquidação (2), que é aquele agente de intermediação legalmente autorizado a proceder as liquidações físicas e financeiras das operações realizadas nos mercados geridos pela Bodiva e o membro de negociação (3), que é um agente de intermediação legalmente autorizado a prestar, pelo menos, os serviços de recepção e execução de ordens nos mercados regulamentados.