Trinta e um títulos de exploração mineira foram cedidos a empresas semi-industriais, na semana finda, na Lunda Norte, para voltarem a exercer a actividade, após estarem suspensas no processo da operação transparência, iniciada em Setembro de 2018, pela Endiama. A vice-governador da província da Lunda Norte, Deolinda Satula Vilarinho, agradeceu ao titular do poder Executivo por terem beneficiado mais uma vez, de 31 licenças de exploração mineira perfazendo 81 títulos no Dundo. A província da Lunda Norte depara-se com uma gritante falta de emprego, principalmente no que toca à juventude, e com essas licenças as empresas irão absorver no mínimo 30 trabalhadores e retirar um número considerável de jovens do desemprego, disse a governante. “Com o funcionamento das cooperativas estaremos seguros que as condições sociais dos trabalhadores dessas empresas, bem como as suas vidas sociais vão melhorar significativamente”, rematou a governante. Segundo a responsável, o apelo feito ao Ministério de Recursos Minerais e Petróleos é uma forma de criarmos oportunidade de emprego às pessoas ao redor das cooperativas e reduzir no mínimo os índices da pobreza. Quanto ao meio ambiente, a responsável disse que, os recursos minerais trazem um regulamento que abrange as áreas todas, visto que foi reduzido o espaço de mineração para facilitar a reposição do ambiente na zona explorada. O representante da cooperativa de exploração de diamantes Hakehehe Akehe, Juventina dos Santos, disse em Saurimo, que a sua empresa vai empregar 250 jovens da Lunda Sul. Juventina Maria, que beneficiou de um espaço de 56 km2, para exercer a actividade empresarial, na localidade de Alto Tchicapa, município do Cacolo, diz estar satisfeita pelo benefício do título, por isso, minimizou o tempo que aguardou pelo documento, e frisou ter todos os equipamentos disponíveis para o arranque dos trabalhos. O representante da Cooperativa Kwa Katembo, Alberto Santos, exaltou na cidade do Dundo, que a reposição dos títulos mineiros para os cooperativistas nas zonas de exploração de diamantes, representa uma vitória para o povo angolano. “Depois de vários anos de batalha é chegada a hora de trabalhar, e numa primeira fase vamos criar 300 postos de trabalho, afirmou Alberto Santos. Malanje Beneficia de 16 títulos O Ministério dos Recursos Minerais e Petróleos, fez a entrega de 16 títulos de cooperativas de exploração de diamantes em Malanje, na sede do governo provincial. Na ocasião, o governador adjunto para o sector técnico e infra-estruturas, Gabriel Pontes, destacou o triunfo da “operação transparência” decretada pelas autoridades angolanas, que contribuiu significativamente para a organização do sector de diamantes do nosso país, e que como resultado, está agora em curso a entrega dos títulos de forma ordeira aos cidadãos que completaram os requisitos exigidos pela lei. Entretanto, o director nacional para os recursos minerais, André Buta, considerou ser um momento de conquista dos beneficiários desse projecto e referiu que as pessoas abrangidas nesse pacote terão dois anos para desenvolver as suas actividades, findos os quais as licenças poderão ser revogadas, se os objectivos preconizados não forem atingidos. O responsável acrescentou ainda que os donos dos títulos devem empregar apenas 30 trabalhadores nacionais, mas os expatriados poderão também trabalhar, desde que tenham a situação migratória legalizada. O responsável da Cooperativa mineira, Luz do Diamante, Dias Paciência reconheceu o empenho da Endiama, no sucesso da obtenção do processo da sua cooperativa. Realçou que a actual realidade do país e das novas políticas do sector, permitiu alavancar o processo das cooperativas.

* com a Angop