Dos 500 expositores nacionais e estrangeiros previstos para participar na 34ª Edição da Feira Internacional de Luanda (FILDA), de 10 a 14 de Julho próximo, nas instalações da Zona Económica Especial Luanda-Bengo, 300 já confirmaram a sua presença, segundo avançou, Manuel Novais.
O administrador da Eventos Arena, uma das organizadoras do certame, a par do Ministério da Economia e Planeamento, informou que o destaque deste ano recai para a África do Sul, que vai participar com 35 empresas, seguido da Itália com 33 e Portugal
com 29 empresas inscritas.
Em 2017, a FILDA que teve lugar na Baía de Luanda, contou com a participação de mais de 10 países convidados
e mais de 200 expositores.
Além destes países já confirmaram a sua presença, expositores do Dubai, Uruguai, Argentina, Alemanha e Rússia.
A exposição tem sido ao longo dos mais de 33 anos consecutivos considerada como uma das maiores portas de entrada de Investimento Directo Estrangeiro, bem como uma das principais alavancas de promoção do país e da produção nacional. A presente edição terá uma área total
de 28 mil metros quadrados.
Questionado sobre os custos exigidos para a feira, Manuel Novais explicou que ronda os 55 mil kwanzas por metro quadrado.
O orçamento previsto para a edição deste ano da Feira Internacional de Luanda (FILDA) é de 477 milhões e 406 mil kwanzas.
A 18 dias para a realização da Filda 2018, decorrem os últimos acertos técnicos, para acolher até 500 expositores entre nacionais e estrangeiros.
Durante a ronda realizada pelo JE para se inteirar sobre o ritmo dos preparativos da presente edição, Manuel Novais assegurou que tudo está a ser preparado sem sobressaltos.
A exposição vai contemplar os sectores tradicionais que mais se destacam, nomeadamente, o ambiente, energia e petróleos, agricultura e pecuária, alimentação e bebidas, banca e financeiro, comércio geral, construção e imobiliária, entidades governamentais/públicas, educação, formação e cultura, hotelaria e turismo, indústria transformadora e extractiva, logística e transportes, máquina e equipamentos (multissectorial), entre outras.

Oportunidade
Durante os cinco dias em que decorrerá a Feira Internacional de Luanda (FILDA), a organização conta criar perto de 600 postos de trabalho provisórios. Sob o lema: “Diversificar a Economia, Desenvolver o Sector Privado”, a Filda tem como meta promover e desenvolver o potencial económico e industrial do país, atrair investimento capaz de fornecer o desenvolvimento sustentado, reunir agentes económicos e sociais e valorização do
tecido empresarial angolano.
Relativamente ao programa estão previstas várias actividades, como a cerimónia de inauguração, realização de workshops, lançamento de produtos, celebração do dia dos países
e actividades culturais.
O grande destaque vai para o 12 de Julho, que será celebrado o “Dia de Angola”, com a promção de um seminário para divulgação da nova legislação do Investimento Privado, do Plano de Desenvolvimento Nacional 2018-2022, bem como do PRODESI (Programa de Apoio à Produção, Diversificação das Exportações
e Substituição das Importações).
Ainda durante o referido seminário, serão ministradas palestras sobre parcerias público-privadas, bem como proceder-se-á a divulgação do Pólo Agro-Industrial de Capanda como um dos instrumentos de apoio à actividade económica na região. Contrariamente à edição de 2015, a FILDA /2017 contou com mais de 25 mil visitantes, 255 expositores e ocupou uma área de 16 mil metros quadrados.