Trinta e sete jovens, dos 52 mil inscritos na Associação Nacional das Empresas de Manutenção Predial (ANEMP), foram inseridos em vários ramos de assistência aos edifícios das centralidades.
A associação pretende criar, nos 164 municípios de Angola, centros de apoio aos serviços de manutenção predial, onde as administrações estarão encarregues de criar e supervisionar os centros municipais para empregar os jovens formados, num período de dois anos.
Em declarações à Angop, o presidente da associação, Francisco Chaves, disse que o atraso na implementação do programa deve-se à morosidade na aquisição de alguns documentos.
Francisco Chaves afirmou que o projecto, em curso há mais de um ano, será feito em parceria com os governos provinciais que não terão qualquer responsabilidade remuneratória.
A agremiação, com mais de 800 empresas de manutenção, tem como objectivo realizar acções para a promoção de actividades de manutenção dos projectos imobiliários de iniciativa pública ou privada.
Referiu ser pretensão da associação, inscrever os técnicos formados em uma cooperativa para que todos passem a trabalhar, conhecendo os seus direitos e deveres.
Os jovens foram formados pelo Ministério da Administração Pública, Trabalho e Segurança Social (MAPTSS) nas áreas de carpintaria, jardinagem, canalização, electricidade, frio industrial, serralharia, segurança electrónica, limpeza de sarjetas entre outras actividades.