As oportunidades de investimento que Angola oferece foram apresentados no 16º fórum da Lei para o crescimento e oportunidades para África (Agoa) realizada de 8 a 10 do corrente em Lomé, Togo.
O evento que decorreu sob o lema “EUA-África: parceria para a prosperidade através do comércio” o Fórum Agoa deste ano debruçou-se sobre vários temas como: relações comerciais EUA-África subsahariana; comércio e trabalho; o poder das micro, pequenas e médias empresas; Acordo de facilitação do comércio da OMC e Aplicação de ferramentas biotecnológicas agrícolas para a segurança alimentar; entre outros.
A Lei para o crescimento e oportunidade para África – Agoa é um instrumento legal da política comercial americana para a África Subsahariana, efectivado a partir da concessão de acesso com isenção de direitos aduaneiros para 6.440 produtos nas trocas comerciais entre os países elegíveis e os EUA, promovendo dessa forma uma maior cooperação económica entre os dois lados.
Com a necessidade urgente de alargar o leque de produtos exportáveis por via de captação de novos investimentos e a procura de mercados com condições favoráveis a entrada das nossas mercadorias. Angola fez-se presente no evento pelo Ministro do Comércio, Fiel Constantino, que fez-se acompanhar com altos funcionários do seu ministério, das Relações Exteriores, Maptess, MinTrans e sector privado
A nova legislação do Agoa, que revoga a lei por 10 anos, foi aprovada pelo congresso dos EUA em 25 de Junho de 2015, e assinada pelo ex-presidente, Barack Obama, em 29 de Junho do mesmo ano.
A prorrogação do acordo, assinada por Barack Obama, até Setembro de 2025 é a extensão mais longa desde que o acordo existe e, acima de tudo, irá proporcionar uma maior segurança aos exportadores africanos. Ao mesmo tempo que permite que as empresas tomem decisões de longo prazo alavancadas num mercado que lhe é favorável.
O último fórum foi realizado no passado mês de Julho de Washington e serviu para preparar a 16º fórum de Lomé, no Togo.
As reuniões intercalares da Agoa são parte de um processo normal de preparação para o fórum que acontece de dois em dois anos, sendo uma nos EUA e outra no país indicado em África. O sector do empreendedorismo tem sido
o mais privilegiado no acordo.