A Empresa Pública de Água e Saneamento (EPAS) do Bengo anunciou que, a partir de 1 de Novembro do ano corrente, vai proceder cobranças de água com base na leitura dos contadores instalados nas residências, de acordo com a nova estrutura tarifária.
Para o efeito, a EPAS procede à instalação de contadores, inicialmente no “Condomínio Habitacional das Mabubas”, situação que já provoca restrições no fornecimento de água entre as 09 e 13 horas.
Em declarações à imprensa, a directora do Gabinete de Comunicação Institucional e Imprensa da EPAS no Bengo, Vanusa Octávio, explicou que o projecto de instalação de contadores será efectuado de forma faseada, abrangendo todos os clientes.
Com a instalação de contadores ao domicílio, a empresa passará a cobrar a água com base na leitura dos contadores e não por estimativa, como ainda é feito actualmente.
De um universo de cerca de 100 mil habitantes de Caxito, a EPAS do Bengo controla apenas 3.500 clientes, um número bastante reduzido, que neste momento recebe o “precioso líquido” ao domicílio com torneira no quintal, incluindo também as ligações de fontanários.
Uma nova tabela de tarifas de água potável, aprovada em Junho deste ano pelos Ministérios das Finanças e da Energia e Águas, permite, entre outros, o princípio do pagamento pelo consumo real do cliente, com definição de regras e critérios, ao contrário do anterior, cujo procedimento basea-se em estimativas aleatórias.
A categoria “Doméstico Social” para habitações com famílias de baixa renda, cujo consumo diário não ultrapasse os 166 litros/dia, passa a cobrar uma tarifa de kz 117,00 por consumo variável de zero a 5 metros cúbicos de água potável/dia, enquanto os cidadãos inseridos na categoria “Chafariz Todo Consumo” (com tarifa que abrange clientes sem vínculo contratual com a fornecedora e uma das mais baixas) podem pagar kz 105,00 por todo o consumo diário.