Segundo o engenheiro, que falava à imprensa durante a visita à estação de cabos submarinos de Sangano, essa percentagem dever-se a velocidade e capacidade que o cabo tem.
O engenheiro explicou que o cabo, denominado Wacs, tem cerca de 17, 5 Terabis de capacidade de tráfego e passa por onze países africanos e três europeus.
“ Com essa capacidade temos controlada a maior parte de Internet no país, contudo, ainda queremos aumentar o nível de qualidade do serviço”, disse.
Domingos Carroz explicou que o tráfego de Internet no país vai melhorar com a entrada de mais dois cabos de fibra no espaço nacional.
No princípio de 2018, entra em funcionamento o “cabo Monet” que liga o Brasil aos EUA e no final do mesmo ano entra em funcionamento o cabo denominado Sacs que liga o Brasil a Angola.
Com a entrada destes dois cabos, o engenheiro explicou, Angola terá uma Internet mais rápida e com muito mais qualidade.
Informou que os onze países africanos beneficiam do cabo Wacs, como Angola,África do Sul, Congo Democrático, Congo Brazavile, Camarões, Costa do marfim, Cabo Verde, Togo, Namíbia, Gana e Nigéria.