António Eugénio

Mais de 240 mil toneladas de milho serão colhidos este ano na província do Bié, em consequência do investimento privado e do apoio concebido ao agricultor pelas autoridades governamentais para o relançamento da produção alimentar no planalto central, afirmou o director provincial da Agricultura, Marcolino Rocha.

Está prevista também uma colheita de mais de 150 mil toneladas de varias espécies de feijão, além de grandes quantidades de produtos hortícolas, safra resultante do apoio concebido pela Empresa de Mecanização Agrícola (Mecanagro) na preparação de três mil hectares, assim como aos micro-créditos atribuídos aos agricultores pelos diversos bancos que operam na região.

Sem avançar números, o responsável disse que grande parte do agricultor tem beneficiado durante a campanha passada de apoio institucional para implementar os diversos projectos agrícolas com o propósito de dirimir a miséria na região e garantir a segurança alimentar.

Na mesma perspectiva, mais de 100 hectares de terras estão preparados no município do Chitembo, Kuemba e Kuito para o relançamento da produção de arroz, no quadro dos esforços de garantia da auto-suficiência alimentar. Neste domínio, está também em curso a reabilitação da fábrica de descasque no município de Catabola.

Actividade de apicultura

Outro projecto em andamento é o relançamento da prática da apicultura. Para isso, foram criadas 10 associações de apicultores nos diversos municípios para reavivar a produção do mel e da cera.

O responsável apontou, porém, o mau estado de algumas rodovias como grande obstáculo para se atingir as áreas longínquas, o que como tem provocado a deterioração dos produtos agrícolas, devido à impossibilidade de ser escoada para os grandes centros de consumo.

Para se inverter o quadro, a fonte anunciou estar a ser gizado um programa integrado, em que todas as empresas, sejam públicas ou privadas, que pretendam intervir no sector agrário, deverão ajudar na abertura de vias secundárias e terciárias para encurtar a distância entre o campo e a cidade.

Marcolino Rocha frisou que o sector está a trabalhar em parceria com as associações de camponeses, com o intuito de aumentar as áreas de cultivo para a próxima campanha agrícola, a ter início em Setembro.

“A intenção é atingirmos as metas de produção como aconteceu na década de 70, altura em que a região produzia e transformava os diversos produtos”.

Com o propósito de sustentar o apoio técnico ao agricultor, a direcção provincial da agricultura tem injectado grande número de quadros formados na supervisão de várias questões inerentes à agricultura, como a detenção de enfermidades, assim como a introdução de novas tecnologias para a prática da agricultura.

Contudo, a fonte regista haver um défice de quadros no ramo florestal, assim como de especialistas para coadjuvarem os projectos da apicultura praticada em grande escala no município do Chitembo.

Mais detalhes, leia na edição impressa do Jornal de Economia & Finanças, já nas ruas