Jovens dos seis municípios da província do Bengo beneficiaram de kits de corte e costura, serralharia, pedreira, electricidade, canalização, carpintaria e cabeleireiro, entregues pela governadora provincial Mara Quiosa.
A cerimónia, realizada no Centro de Formação Profissional de Caxito, contemplou 30 jovens por cada município da província e os restantes filiados em associações, organizações juvenis, partidárias e religiosas integradas no Conselho Provincial da Juventude (CPJ). O lote de materiais entregue aos finalistas dos cursos de curta duração 2018 (3 a 4 meses), no quadro do programa de empreendedorismo na comunidade, visa o fomento do auto-emprego e geração de rendas para o seu sustento e de suas famílias.
No acto de entrega, a governadora provincial do Bengo, Mara Quiosa, reconheceu que as quantidades dos kits são insuficientes para atender os dois mil formandos do centro de formação profissional.

Emissão do alvará comercial
chega à cidade de Caxito

O sistema de emissão e impressão local do alvará comercial foi lançado na passada terça-feira, em Caxito, província do Bengo, pelo secretário do Estado do Comércio,
Amadeu Leitão Nunes.
Na ocasião, o governante explicou que este processo está em curso e já foi implementado em quatro das 18 províncias do país, no âmbito da descentralização
de emissão de alvará.
Afirmou que o ministério vai dar continuidade ao processo nas demais províncias, na medida em que as capacidades técnicas forem reunidas, sublinhando que antes os alvarás comerciais eram emitidos a partir de Luanda, situação que causava constrangimentos a nível das províncias.
Referiu que a descentralização do processo é apenas uma amostra daquilo que se pretende na melhoria do ambiente de negócios em Angola.

Reforma do comércio
Por seu turno, o vice-governador para o sector político, social e económico do Bengo, António Martins, elogiou o empenho do Ministério do Comércio e frisou que a emissão local do alvará comercial é o cumprimento do processo de reforma administrativa que está em curso no país.
Destacou que este processo visa facilitar os comerciantes a obterem este
documento localmente.
Em declarações à imprensa, o representante da empresa Sérgio Fernando, que recebeu o seu alvará comercial na ocasião, considerou o processo uma mais-valia para aqueles que desejam exercer a actividade
comercial na província.