Uma delegação do Ministério do Comércio, chefiada pelo secretário do Estado, Amadeu Alves Leitão Nunes, realizou há dias em Benguela, um workshop sobre “Adesão de Angola à Zona de Comércio Livre Continental – ZCLC”.
A abertura do evento esteve a cargo da vice-governadora de Benguela para o sector Político, Social e Económico, Deolinda Valiangula.
A governante disse que, sendo o comércio uma actividade que movimenta diferentes produtos com uma finalidade lucrativa, através de troca, venda ou compra de mercadorias e até mesmo serviços, é necessário que se cumpram as regras.
Valiangula disse ainda que para o comércio funcionar dentro dos preceitos da Lei, é importante que o comerciante cadastre a sua empresa nos órgãos competentes, pois com ele a sua actividade comercial fica regularizada, devendo assim cumprir com o pagamento de impostos ao Estado.
Deolinda Valiangula entende que a adesão de Angola à ZCLC, é mais um desafio, a que Angola se propôs, pois o comércio internacional é de grande importância para o nosso país, pelo que se pode exportar o que se produz e importar, suprindo assim as necessidades de todos os país membros da ZCLC.
Deolinda Valiangula, que foi igualmente prelectora noutro encontro sobre corredor do Lobito, disse que é considerado eixo estratégico da África Austral, pois possui um conjunto de infra-estruturas de transportes cuja ligação ferroviária serve Angola, Zâmbia e a República Democrática do Congo por isso, é considerado como chave para o desenvolvimento sub-regional da África Austral.
Por seu turno, o secretário de Estado do Comércio, Amadeu Nunes, fez saber na ocasião que Angola tem trabalhado arduamente para que a sua integração à ZCLC seja das melhores, pois pretende-se, com a mesma, uma redução drástica das tarifas.
O objectivo do workshop foi de auscultar e informar simultaneamente à sociedade sobre as vantagens que a adesão trará para o país, bem como elucidar à classe empresarial privada do seu papel no contexto da ZCLC.
O adido agrícola da Holanda em Angola, Jack Vera, que passou o testemunho do seu país, fez saber que a Holanda com uma cifra de 100 milhões de produtos agrícolas a serem exportados por ano, é o segundo maior exportador deste sector e um dos maiores produtores de tomate.
Foram prelectores no workshop os directores do Gabinete de Intercâmbio do Ministério do Comércio, Rui Livramento, do Comércio Externo, Lukonde Luansi, do Comércio Interno e Serviços Mercantis, Estévão Chaves.