A agricultura, pecuária, aquicultura, exploração de madeira, o comércio, eco-turismo, turismo religioso e o sector eléctrico são algumas das áreas apontadas pelo administrador- adjunto da Cacula (Huila), Custódio Satiaca, para o investimento privado nacional e estrangeiro, na localidade.
No domínio da agricultura pode-se apostar na produção de cereais, leguminosas e no fornecimento de meios de produção, enquanto que na pecuária a aposta vai para o melhoramento de raças autóctones, sobretudo para o gado bovino, construção de um matadouro e um talho, disse Custódio Satiaca à Angop, à margem do fórum “Cacula Invest”, realizado recentemente.
No capítulo da aquicultura, apesar do município ser “pobre” em recursos hídricos, esta actividade pode ser desenvolvida nas comunidades, uma vez que a província possui a albufeira da lagoa do Chiva para tal prática.
Já na indústria, adiantou, podem ser instaladas moageiras para a transformação de cereais e ração animal.
Poderão também ser produzidos materiais de construção, como a brita e blocos de cimento. Em relação ao comércio, o responsável explicou que Cacula gostaria de ter lojas de várias dimensões para a actividade de comércio a grosso bem como comercilalizar no campo produtos da sexta básica.
No sector da educação destacou a necessidade de investimentos no ensino pré-escolar, técnico profissional, II ciclo e no ensino superior enquanto na saúde os investimentos deveriam ser direccionados para a criação de postos e centros de saúde, farmácias e a abertura de depósitos de medicamento.
“Há outros serviços a explorar, como postos de abastecimentos de combustível, estações de serviço e exploração do potencial eólico de Molengue”, afirmou Custódio Satiaca quando falava a propósito do desenvolvimento do município que completou seis anos desde que ascendeu à essa categoria.
O município da Cucula dista 96 quilómetros a norte da sede capital da província da Huíla e tem uma população estimada em 136 mil 977 habitantes distribuídas pelas comunas do Viti Vivali, Cacula, Chiquaqueia e Chituto.