A Sociedade mineira de Catoca está a recuperar de forma sustentável as reservas diamantíferas, assegurando que os seus produtos se distingam internacionalmente pelo seu valor e elevada qualidade.
Segundo o relatório da empresa a que o “JE” teve acesso, em 2016 começaram a registar-se no mercado internacional, alguns indicadores positivos no contexto económico com o início da recuperação do preço do barril do petróleo.
Para Catoca, enfatiza o documento, os baixos preços dos diamantes continuam a ser o maior desafio. Em 2016, o preço médio no mercado foi de 83,76 dólares/quilate (Qe), enquanto em 2015 conseguiu-se atingir 86,65
dólares/quilate.
Esta queda abrupta e constante de preços, segundo o relatório, levou a empresa a fazer uma reavaliação no seu modelo de negócios e forçado a aumentar o volume de produção em 5,7 por cento de forma a garantir a
recomposição da receita.
No domínio dos custos, registou-se um incremento de 8,1 milhões de dólares, influenciado sobretudo por factores como o aprofundamento da mina que torna o aumento do preço dos combustíveis e energia, a subida dos preços dos equipamentos, serviços, e principais insumos, ambiente fiscal mais apertado
e complexo para os negócios.
Perante este clima, desenvolveu-se um plano focado num eixo de acções estruturantes como a melhoria dos contratos, optimização de estratégias de gestão inteligente e rigorosa de forma a garantir os mais altos índices de eficiência operacional.
Este plano de actuação, permitiu à empresa alcançar em 2016, um lucro operacional de 194,9 milhões de dólares
e líquido de 134,6 milhões.
Para 2017, a empresa tem como foco trabalhar com a Endiama na exploração dos diamantes, melhorar a gestão e controlo dos custos de forma a maximizar os resultados, dar início ao processo de exploração do CATE42, bem como ampliar os trabalhos
na concessão do Luaxe.
No contexto internacional Catoca é o 4º maior produtor de diamantes no mundo (se considerar o total de produção industrial), e líder na quota de mercado com 86,3 por cento em volume e 60,3 por cento em valor.
Segundo a Sociedade de Comercialização de Diamantes, o valor dos diamantes brutos em Angola, em 2016, ascendeu a 988,36 milhões de dólares para um total de 8,7 milhões de quilates.
O aumento das vendas foi de 11,7 milhões de dólares face a 2015, tendo o preço médio alcançado 83,76 /Qe, quando em 2015 foi de 86,6 5 dólares/quilate.