A petrolífera norte-americana Chevron prevê nos próximos anos aumentar os seus inesvtimentos em vários domínios, depois da aceitação de algumas propostas feitas a órgãos competentes, segundo revelou, em Luanda, o vice-presidente do conselho de administração daquela companhia, George Kirkland, chefe de uma delegação que efectuou uma visita de três dias ao país, desde terça-feira, 11.

Em Angola, a delegação da petrolífera norte-americana teve um encontro, em Luanda, com o vice-Presidente da República, Manuel Domingos Vicente, com o qual abordou o desempenho da empresa e as suas perspectivas de investimentos.

George Kirkland esclareceu que foram apresentadas novas propostas de exploração, sobre as quais preferiu não pormenorizar até obter decisões finais.
O responsável declarou que pretende aumentar os investimentos para, em contrapartida, elevar as acções no domínio social, como é prática da empresa em todas as regiões em que opera.

Fez alusão à contribuição da empresa no município do Soyo (província do Zaire) em escolas, hospitais, aeroporto, estradas, entre outros empreendimentos.

Para George Kirkland, “quanto mais investir na exploração em Angola, mais investiremos no sector social, por ser a forma de a Chevron operar no mundo”.

Contudo, no âmbito da sua responsabilidade social, a petrolífera promoveu recentemente, em Luanda, um workshop sobre a ciência, geologia e geofísica, que se destinou a 150 estudantes, da universidade Agostinho Neto e técnicos da empresa, no país.

A companhia petrolífera encontra-se entre as maiores produtoras de petróleo em Angola, detendo posições em quatro concessões, duas das quais são as responsáveis pela operação dos blocos. A sua actuação no país data desde a década de 1930.
A Chevron produz actualmente cerca de 500 mil barris/dia nos blocos zero e 14 e próximos, numa parceria com a Sonangol.