O ministro do Comércio, Jofre Van-Dúnem Júnior, apresentou aos empresários chineses, na 1ª edição da Feira Internacional de Importação e Exportação da China (CHIIE), alguns produtos angolanos de interesse internacional, com destaque para o café, que despertou os empresários do “gigante asiático”.
“A apresentação do café nacional pela Cafangol permitiu perceber o interesse que o mercado chinês, através dos seus empresários, têm por Angola, visto que só na província de Shangai existem mais de 20 mil postos de venda de café e daí a oportunidade de exportação, no âmbito da diversificação da economia”, referiu o governante que terça-feira, falava à imprensa, a sua chegada no Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro.
O ministro referiu que foi fundamental apresentar a legislação do sector e essencialmente as vantagens de investir em Angola, pois, nesta edição da feira o país não teve um stand, onde se podia apresentar produtos e serviços.
Por seu turno, o presidente do conselho de administração da Zona Económica Especial (ZEE), António da Silva, que também participou na feira, disse que continuarão a desenvolver contactos com parceiros externos, para que Angola possa exportar.
“Foram feitos vários contactos com empresas nos mais diversos domínios, inclusive algumas que no passado tinham manifestado o interesse em investir no país e levaram-nos a conhecer as suas operações na China”, destacou.
Segundo o gestor, as empresas angolanas de café foram muito bem referenciadas no workshop e nos encontros entre os empresários dos dois países.
Por outro lado, António da Silva disse que a ZEE enfrenta um processo de profunda reestruturação e de análise do ponto de situação, assim como se trabalha na recolha de informações necessárias, para que as empresas instaladas ou que venham a se instalar na ZEE o façam em condições que lhe ofereçam a competitividade necessária.
“O mercado tem que ser competitivo e quando assim o é, se abre ao mundo tendo como referências também as realidades de mercado, logo as empresas que se queiram implementar no país olham sempre para os custos inerentes para a sua implementação na ZEE”, argumentou.
De acordo com o responsável, o seu conselho de administração tem trabalhado de modo a criar condições que possam ser as mais favoráveis para a implementação dos projectos industriais.
A 1ª edição da Feira Internacional de Importação e Exportação da China (CHIIE) contou com a participação de 172 países, com mais de três mil expositores.
Foi realizada com objectivo de promover o comércio internacional da China como uma plataforma de cooperação na qual os países participantes e as respectivas empresas apresentaram o seu nível de desenvolvimento.