A Nova Cimangola vai aumentar a sua produção, este ano, para um milhão e 200 mil toneladas de cimento Portland, informou nesta sexta-feira, em Luanda, o assessor da administração para a área de gestão da empresa, Luís Silva.

Em 2008, a empresa produziu um milhão e 50 mil toneladas de cimento Portland, ocupando uma quota de mercado de 30 porcento, disse o técnico, acrescentando que o aumento estimado para 2009 enquadra-se num modelo de gestão eficiente e eficaz que a empresa está a implementar.

O assessor, que falava sobre a " Eficiência e a eficácia no sector empresarial", enquadrada num ciclo de palestras realizadas pela Escola Nacional de Administração (ENAD), justificou que a Nova Cimangola na sua gestão tem primado em produzir mais com menos recursos, mesmo usando uma tecnologia antiga.

Referindo-se sobre a necessidade de introdução de uma nova tecnologia visando o aumento da produtividade, Luís Silva afirmou que essa opção traz, além do benefício do crescimento da produção, prejuízos porque reduz a mão de obra da empresa de 842 para 200 funcionários.

No âmbito da nova gestão e processo de mudança da empresa, está em curso, segundo o assessor, o recrutamento selectivo de pessoal em áreas de debilidade, implementação de um plano de carreiras, envolvendo todos os trabalhadores, melhoria das condições sociais e prevê-se também o rejuvenescimento do pessoal.

Deu a conhecer que a Nova Cimangola também faz parte do conjunto de empresas licenciadas pelo Ministério das Obras Públicas para importar cimento, tendo em conta a demanda do mercado nacional, mas, esclareceu, a empresa não terá a actividade de importação como a melhor saída, mas sim a de produção.

A fábrica construída em 1957 está constituída pelos accionistas Ciminvest com 49 porcento, Cimangola 40% e o Banco Africano de Investimento (BAI) 9,5 %.

O Workshop realizado pela ENAD encerrou um ciclo de seis palestras que visaram apresentar e discutir as medidas a adoptar para melhorar a eficácia e a eficiência das empresas do sector empresarial, com particular ênfase do sector público.

Analisar a questão das parcerias público-privadas como forma de melhorar a gestão e regulação e de apoiar o sector público na transferência, execução de tarefas e projectos de interesse público, assim como apresentar mecanismos de auditoria e avaliação interna das empresas, constaram também dos objectivos do evento.

O evento contou com a participação de titulares de órgãos públicos, gestores de empresas públicas e privadas, de instituições de ensino superior e de membros da sociedade civil.