As trocas comerciais entre Angola e a China atingiram, de Janeiro a Julho do ano em curso, o valor de 13.378 milhões de dólares, um aumento de 48,61 por cento em relação ao período homólogo de 2016, de acordo com dados oficiais chineses divulgados pelo Fórum de Macau.
As vendas chinesas para Angola atingiram o valor de 1.249 milhões de dólares (+32,47 por cento), enquanto as compras cifraram-se em 12.129 (+50,50).
Com todos os países de língua portuguesa, incluindo Angola, o volume de trocas comerciais registou um crescimento homólogo de 31,29 por cento para 67.615 milhões de dólares no período em análise.
A China foi responsável por exportações no valor de 19.822 milhões de dólares (+25,74 por cento em termos homólogos) e as suas importações atingiram 47. 793 (+33,74), assumindo um défice comercial de 27.971 milhões de dólares.
O Brasil, que representou quase 74 por cento do comércio entre a China e os oito países de língua portuguesa com 49.903 milhões de dólares (+30,51 ), vendeu às empresas chinesas bens no valor de 34.246 milhões de dólares (+28,57) e comprou mercadorias no valor de 15.657 (+34,97).
Com Portugal, as trocas comerciais ascenderam a 3.177 milhões de dólares (+1,19 por cento), com vendas chinesas no valor de 2.070 milhões de dólares (-11,58 por cento) e compras no valor de 1.107 (+38,59).
Em quarto lugar por ordem decrescente de valor surge Moçambique com trocas comerciais no valor de 1.028 (+3,35), com a China a ter exportado bens no valor de 719 milhões de dólares (-4,81 por cento) e a ter comprado bens no valor de 309 milhões de dólares (+29,08).
Com os restantes países de língua portuguesa – Cabo Verde, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste – as trocas comerciais no período em análise atingiram 127 milhões de dólares.