Um seminário de auscultação e partilha de subsídios sobre o programa de “Expansão da rede comercial rural de proximidade” foi realizado na última quarta-feira,30, no salão nobre do Ministério do Comércio.
Proferindo a abertura do seminário, o secretário de Estado para o Comércio, Amadeu Leitão Nunes salientou que o programa visa aumentar a disponibilidade de produtos essenciais nos pontos de venda e consolidar a existência de uma rede comercial retalhista, que seja capaz de converter, de modo progressivo, a rede comercial informal para a formal.
Amadeu Leitão Nunes afirmou que esta iniciativa tem como objectivo auscultar os Departamentos Ministeriais com intervenção directa ou indirecta na cadeia logística, avançando estudos de viabilidade, tecnicamente suportados com o apoio de dois peritos da União Europeia contratados pelo ministério.
O secretário de Estado para o Comércio informou que se dará atenção à cadeia comercial rural de proximidade, incentivos à produção agro-pecuária bem como estudos de viabilidade das lojas de campo, pretendendo, desta forma, ajustá-las à situação actual da economia nacional.
Na abertura do seminário, o director nacional do Comércio Interno e Serviços Mercantís, Esteves Chaves salientou que as lojas de campo existentes no tempo colonial e que se pretendem activar nos tempos de hoje com funcionamentos mais actuais e modernos, ajustados à realidade económica que o país vive, joga papel preponderante como elo facilitador da produção a nível do meio rural. “O que estamos a discutir hoje, é tratar de abordar estudos de viabilidade para que estas lojas desempenhem eficazmente o seu papel quando implementadas”, afirmou. Destacou que um dos principais constrangimentos prende-se com as estradas de acesso a estas localidades.
Por sua vez, a chefe da Cooperação Adjunta da União Europeia (UE), Marta Brites destacou a ideia é promover o desenvolvimento agricultura rural e seus produtores para que os bens cheguem ao mercado nacional