Para terminar com às cobranças por estimativa a EPAL-EP contratou uma empresa que vai construir a partir do próximo ano, uma fábrica de contadores inteligentes a ser erguida na Zona económica no município de Viana, em Luanda.
A unidade terá capacidade para fabricar 480 mil contadores por ano, que na primeira fase começarão a ser colocados nas residências na capital angolana, afirmou o Presidente do Conselho de Administração Leonildo Ceita, depois de um encontro com os administradores dos distritos de Luanda.
Para garantir o abastecimento eficaz de água em Luanda, a EPAL precisa no mínimo 1milhão de metros cúbicos, contra uma capacidade instalada de 733 mil metros cúbicos, e tem disponível apenas 500 mil metros cúbicos. Consta do pacote a construção de unidades para fabricar cloro e sulfato de alumínio, para melhorar a qualidade da água consumida.
Para terminar com o garimpo da água vai utilizar softwar inteligentes e montar sensores nas condutas, para detectar em tempo recorde e real eventuais vandalismos e sabotagem que esteja a acontecer numa determinada conduta.
O combate será ainda combinado com às administrações municipais, por serem os controladores de uma determinada área habitacional, auxiliados pela polícia de ordem pública. O garimpo tem sido na óptica do gestor um dos grandes problemas de abastecimento do líquido.
Um outro projecto, vai incidir no aumento de ligações domiciliares para que o cidadão possa consumir água com melhor qualidade, e evitar problemas sérios de saúde às famílias.
“ Nós discutimos com os moradores de algumas centralidades, que vamos rever o que aconteceu para perdoar aqueles que pagaram valores altos ,resultante da leitura por estimativa”, frisou.
O Vice-governador de Luanda, Julio Bessa disse que a gestão adequada do sistema de distribuição de água passa pela sua descentralização, e atribuir aos administradores responsabilidade para potencia-las financeiramente.