A empresa tem contingências fiscais por concluir. Destacam-se às obrigações, como o pagamento mensal de 30 milhões de kwanzas de imposto de exploração. Tem 15 meses vencidos, no valor de 168 milhões de kwanzas à segurança social e 9 meses de IRT vencidos no valor de 150 milhões de kwanzas.
O elevado endividamento da empresa, de acordo com a PCA, ronda os 525 milhões de dólares. Actualmente, regista-se a fuga de quadros altamente qualificados e o conselho de administração tem o mandato expirado desde Dezembro 2017, funcionando apenas com dois administradores, o que de alguma forma, origina uma falta de definição sobre o futuro da sociedade.