O governo do Cuanza Norte está actualmente a apostar na adopção de políticas de incentivo e publicitação das potencialidades económicas da província, visando atrair maior volume de investimento privado e a diversificação da economia local, segundo o vice-governador da província para o sector económico, Henrique Jorge do Sacramento e Sousa.
Em entrevista à Angop, Henrique Sacramento e Sousa disse que o governo local tem actualmente a sua aposta virada ao desenvolvimento de modelos de reorganização produtiva e de crescimento, ajustados à realidade económica da região, a fim de se transformarem os factores de produção disponíveis em crescimento económico.
O vice-governador aludiu que a província dispõe de condições suficientes para ser transformada em verdadeiro pólo de concentração de investimento privado, dado o seu potencial em termos de recursos hídricos e abastecimento regular de energia eléctrica a partir das barragens de Cambambe (no Cuanza Norte) e de Capanda (em Malanje).
Indicou a existência de grandes extensões de terras aráveis e recursos hídricos em abundância, como garantias de atracção do investimento privado, daí a aposta do governo provincial em realizar feiras anuais de investidores destinadas a publicitar o potencial da região em vários domínios, com realce para o agronegócio.
Lamentou o facto do sector empresarial do Cuanza Norte encontrar-se ainda num patamar muito reduzido, quando comparado com as vizinhas províncias do Uíge, Malanje e Cuanza Sul, face os níveis baixos de productividade e contribuições fiscais e de poucos investidores privados.
Henrique de Sousa justificou que a falta de uma actividade empresarial forte na província decorre do facto de se constatar a ausência de uma plataforma logística de apoio a compra e acondicionamento dos produtos do campo, estado avançado de degradação de algumas vias de acesso, dificuldades de acesso ao crédito bancário e custos altos das matérias-primas, que vão sendo superadas com as várias acções do governo de apoio ao investimento privado.